Meio Bit » Ciência » Veja uma nave Dragon cair com estilo

Veja uma nave Dragon cair com estilo

Hoje foi um excelente dia pra SpaceX. Nada explodiu, tudo deu certo e a empresa terminou US$ 30 milhões mais rica, ao realizar um teste bem-sucedido do sistema de fuga da Dragon V2. Clique e leia, e veja o vídeo, ela cai com estilo, lindamente.

06/05/2015 às 17:38

10408086_10155539486420131_329236682442107412_n

Ao contrário da Planet Express a NASA não considera seus tripulantes e passageiros como insumos descartáveis. Perder astronautas é péssimo para os negócios, por isso todo foguete menos o Ônibus Espacial tinha um mecanismo de escape. No caso os eternos otimistas achavam que se desse caca o Shuttle seria o salva-vidas.

Mesmo a velha Mercury tinha sua Torre de Escape.

front

O funcionamento é simples: se antes ou durante o lançamento, ou nas primeiras fases da ascensão algo der errado e o delicado equilíbrio entre centenas de toneladas de combustível altamente explosivo for colocado em risco, o melhor é picar a mula. A cápsula é desconectada do foguete, a torre de fuga aciona seus motores. Alguns segundos depois a cápsula está a alguns quilômetros de distância, a torre é descartada, para-quedas são acionados e todos terminam felizes e vivos.

A Dragon V2, que está sendo certificada pela NASA precisa ter esse tipo de recurso. mas Elon Musk jamais poluiria seus foguetes clean e sua nave digna da prancheta de Jony Ive com uma horrorosa torre, afinal a Dragon já possui motores. São 8 SuperDraco, usados para manobras orbitais. Apenas 4 já são suficientes para a manobra de fuga.

Uma das fases de certificação é um teste do sistema de escape em condições estáticas: zero altitude, zero velocidade. Convenhamos, não seria nada agradável se no lugar da Cygnus fosse uma Dragon no topo do Delta que explodiu ano passado. Foi o que a SpaceX testou hoje cedo, e crianças, foi muito bonito.

9ff9a758-c404-4b6d-8848-f5bfac55a5c4

Como não faz sentido erguer um foguete Falcon 9 pra um simples teste, a SpaceX montou uma Dragon V2, acoplada ao módulo de carga. Ele é importante, as aletas geram estabilização durante os poucos segundos de vôo, quando os 8 SuperDracos queimam duas toneladas de combustível.

padabortinfographic

O perfil de vôo da manobra é simples: os motores aceleram a Dragon até queimar todo o combustível. Ela entra numa trajetória parabólica com apogeu de 1.500 m. Nesse momento ela solta o módulo de carga, rotaciona por escudo de calor ficar pra baixo. para-quedas precursores são acionados, em seguida os principais, e ela pousa na água, a mais de 2 km do local de partida.

Foi o que aconteceu:

CEWB-pNWAAA_jgF

17204732289_2712f08d78_o

CEVI-O6UkAAdW5s

Quer dizer, quase aconteceu. Uma falha na mistura dos componentes do combustível fez com que a duração da queima fosse mais curta e com menos potência.

Como consequência a Dragon caiu mais perto do que o esperado, mas ainda bem dentro da zona de segurança. Ela atingiu 160 km/h em 1,2 s; e velocidade máxima de 555 km/h. O boneco de testes dentro dela — sem nome, não era o Buster — sobreviveu, e astronautas também chegariam ao solo (ok, à água) inteirinhos. Veja o lançamento todo:

SpaceX — Pad Abort Test

Por esse teste bem-sucedido a SpaceX vai receber US$ 30 milhões, e já pode se preparar pro próximo, um teste em vôo, com o foguete em Max Q, que é quando ele atinge a máxima pressão dinâmica, ou seja: as forças envolvidas se equilibram e a aceleração compensa momentaneamente a queda de densidade atmosférica. Rapidamente a densidade baixa e o foguete dá uma relaxada, mas nesse meio-tempo é que a caca tem mais chance de acontecer.

Esses testes não são novidade. Durante o Projeto Apollo Stanley Kubrick a NASA fez um teste em vôo que saiu melhor do que o esperado. O foguete deu chabu a sério, começou a girar, se desintegrou e então a cápsula foi ejetada, com segurança. Teria salvo os astronautas se alguém fosse burro o bastante pra embarcar num vôo de testes desse. Sim, foi filmado:

oisiaa — Apollo Launch Abort System Test

Ah sim, a Dragon usada não foi uma V2, mas uma versão intermediária, com chassis da V1, espelhos no luga de janelas e sem a decoração interna. Não faz sentido ter a V2 pronta mais de um ano antes do primeiro vôo real.

Com os atrasos talvez o teste em vôo saia ainda este ano, mas o lançamento real orbital só no final de 2016. E ainda assim é capaz de ficar pronto antes de todos os estádios da Copa.

Leia mais sobre: , , , , , , , .

relacionados


Comentários