Meio Bit » Fotografia » Lição básica de como destruir seu negócio de fotografia

Lição básica de como destruir seu negócio de fotografia

Um fotógrafo australiano sentiu na pele as consequências de não ser muito responsável com seus clientes.

5 anos atrás

fotografia_profissicinal

Atualmente é muito fácil ser fotógrafo. Na realidade, abrir um negócio de fotografia é mais barato do que montar um carrinho de cachorro quente. Você precisa de uma câmera, uma lente e um flash. Pronto, virou fotógrafo. Não precisa nem estudar. É só mudar o nome nas redes sociais para Fulano Photographer e já está no mercado. Não precisa ter ponto comercial, não precisa pagar imposto, não precisa ter funcionário. Apenas sua câmera.

Claro que isso tudo é mentira, mas é assim que funciona na cabeça da maioria dos iniciantes. Ninguém pensa que está abrindo uma empresa, que precisa de plano de negócio, análise do mercado, levantamento de custos, essas coisas básicas. Qualquer dinheirinho que entrar vai para pagar a cerveja do fim de semana, afinal de contas, fotografia digital não tem custo mesmo.

É por conta desses pensamentos que vemos coisas bizarras na mídia, como o fotógrafo que não apareceu no dia do casamento da cliente porque esqueceu o compromisso. Ele não tinha agenda, pois achava isso coisa de fresco. Esse caso apareceu no Fantástico, mas outros programas que dizem defender os direitos dos consumidores nas TVs abertas já mostraram causos semelhantes. Porém, nada tão grotesco quanto a história de Justin Hollow que foi abordado pelo programa de TV australiano A Current Affair.

O programa juntou 20 noivas e noivos insatisfeitas com o trabalho do fotógrafo e foram ao seu encontro durante uma sessão fotográfica externa. Quais as reclamações? As de sempre quando o fotógrafo não tem responsabilidade: atraso na entrega dos trabalhos e recusa em devolver dinheiro por trabalhos não executados. Segundo as noivas, o senhor Hollow tem trabalhos que foram feitos a mais de 2 anos e elas não viram ainda nenhuma foto ou a filmagem. Ele também não apareceu em alguns casamentos e se recusa a devolver o dinheiro cobrado e, por fim, em alguns casos ele foi tão ríspido com noivos e convidados que simplesmente destruiu o dia mais importante da vida do casal. Vejam abaixo a reportagem completa (infelizmente sem legendas).

Lion|Animation| — Angry newlyweds confront wedding photographer and videographer who ruined their 'big day'

Porém, isso não é um problema só de primeiro mundo. Aqui no Brasil também temos casos parecidos. A pessoa se lança no mercado cobrando um preço mais baixo e depois não consegue dar conta da avalanche de trabalhos por falta de verba para honrar os seus compromissos. A primeira dica para quem quer entrar no ramo da fotografia é estudar os fundamentos da administração de uma empresa. Depois disso é só planejar o seu caminho e dar um passo de cada vez.

relacionados


Comentários