Meio Bit » Hardware » Sharp apresenta display IGZO de 4,1 polegadas com 736 ppi

Sharp apresenta display IGZO de 4,1 polegadas com 736 ppi

Novo display IGZO da Sharp para smartphones com resolução de 2560 x 1600 abre caminho para futuros smartphones com telas 4K

6 anos atrás

image

A culpada inicial foi para variar a Apple. Ao introduzir a Tela Retina no IPhone 4, os fabricantes de smartphones em geral começaram a correr atrás do prejuízo, lançando aparelhos com resoluções cada vez melhores.

Isso é excelente, pois forçou a indústria a resolver (ou ao menos tentar resolver) o problema do consumo de energia. Hoje temos gadgets como o LG G3, o Galaxy Note 4 ou o Moto Maxx, com resoluções estonteantes e baterias de alta performance, que não sugam toda a energia com 15 minutos de uso. Só que Quad HD ainda é pouco, a meta agora é enfiar um tela 4K no seu bolso. E a Sharp está perto de conseguir realizar isso.

Atualmente são a LG, a Samsung e a Sharp as principais desenvolvedoras de displays, sendo que companhia japonesa fornece seus produtos para empresas como Apple e Nintendo. As coreanas apresentaram telas relativamente grandes com resolução Quad HD, resultando numa densidade de pixels por polegada em torno dos 525 ppi. Só que os japoneses fizeram melhor: cometeram um display IGZO de apenas 4,1 polegadas, mas com a estonteante resolução de 2560 x 1600 pixels. Isso dá 736 ppi, mais pixels por polegada do que qualquer tela já produzida.

A chave está na tecnologia empregada. Já foi comprovado que displays IGZO são mais econômicos e custam menos para serem produzidos, o que poderia ajudar na adoção de resoluções cada vez maiores. O problema é: há necessidade disso? O olho humano não consegue distinguir pixels depois de uma certa distância, o ponto que Jobs levantou em 2010 está correto. Entretanto um display com alta resolução é algo lindo de se ver, e se pudermos ter smartphones 4K sem que a energia se esgote num instante, por quê não?

Em tempo: a Samsung também está desenvolvendo um display de 5,9” com 747 ppi, portanto a guerra da resolução ainda vai longe.

Fonte: DT.

Leia mais sobre: , , , , , .

relacionados


Comentários