Meio Bit » Internet » Polícia chamada para deter sujeito que planejava Guerra Global Termonuclear

Polícia chamada para deter sujeito que planejava Guerra Global Termonuclear

O mundo é injusto. Um sujeito não pode mais nem ficar em casa planejando uma Guerra Global Termonuclear e um chato descobre e chama a polícia.

30/08/2014 às 9:16

Russian President Putin holds a communication session with the crew of the International Space Station (ISS) on Cosmonautics Day during his visit to the Amursk Region

Não, não foi ele.

Wargames é um dos clássicos filmes geek nos Anos 80. Foi uma visão totalmente original da Guerra Fria e da Ameaça Nuclear. Nele um garoto usa a velha técnica de wardialing para achar os números de modem de uma empresa de jogos, mas sem-querer acaba encontrando uma porta de entrada para o WOPR, um supercomputador do NORAD que controla todo o arsenal nuclear dos EUA.

O mais legal do filme é que ele não usa OVERRIDE e outros comandos mágicos. Para descobrir a senha vai pra bibliotecas, pesquisa e tenta muito.

Obviamente ele coloca o mundo à beira de uma guerra nuclear, é preso pelos militares, e fica com a mocinha.

Agora a Vida Imita a Arte, mas com orçamento de filme brasileiro. Na Inglaterra um sujeito chamado Henry Smith recebeu a visita de um Agente. Não o Smith, mas da imobiliária, para uma inspeção rotineira. O agente viu vários quadros brancos com mapas e descrições de ataques nucleares, e a legenda “Guerra Global Termonuclear”. Dada a situação atual do mundo o tal agente ficou assustado. 

Pacientemente Henry explicou que ele era desenvolvedor, estava criando um jogo multiplayer, e aquilo era parte dos esboços.

366828db-45dd-4ff2-8536-209c78a673ea-460x276

O agente não ficou satisfeito. Foi embora e mais tarde avisou por e-mail que a polícia havia sido informada de tudo.

Henry ficou apavorado. Voltou correndo para casa, achando que encontraria a SWAT e tudo revirado. Agora ele não sabe o que fazer. A polícia não costuma informar sobre investigações em andamento, ainda mais se o sujeito é o alvo. A única esperança de Henry é que, ao contrário do retardado da agente, os investigadores de polícia tenham QI acima da temperatura ambiente em Plutão e percebam que dificilmente alguém capaz de hackear o arsenal nuclear dos EUA ou da Rússia faria isso com diagramas como o mostrado acima.

Alguns disseram que tudo não passou de estratégia de divulgação, mas o jogo não existe, tudo que Henry fez até agora foi um gráfico básico no Google Maps. Não faz sentido divulgar algo tão preliminar.

É o caso clássico de histeria associada a pouco ou nenhum conhecimento. Lembrou um causo ótimo quando, umas semanas atrás um engraçadinho postou uma foto de Steven Spielberg na frente de um Triceratops. O texto, indignado condenava a caça esportiva e o “sujeito” por ter matado o animal por pura diversão. CLARO, centenas de retardados despejaram sua indignação no Facebook, exigindo justiça.

spielberg-dinosaur-killer-1

Acha absurdo? E que tal a história de Alex Stone, um adolescente de 16 anos que durante uma aula de redação resolveu escrever uma história contando que comprou uma arma e matou o dinossauro de estimação do vizinho. Arma, colégio? Foi imediatamente denunciado pelo professor, suspenso por uma semana e a polícia foi notificada. Cobraram explicações, ele se irritou, explicou que era uma brincadeira, e segundo os canas, ficou descontrolado e acabou preso por desacato.

Isso mesmo. Escrever que matou um dinossauro foi suficiente para colocar em cana um garoto.

Parabéns a todos os envolvidos. Por isso não podemos ter coisas legais.

Fonte: GAS e News AU.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários