Meio Bit » Indústria » Japão vai implantar uma rede magnética para capturar os detritos espaciais em órbita da Terra

Japão vai implantar uma rede magnética para capturar os detritos espaciais em órbita da Terra

Para alegria da Sandra Bullock, a Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial está desenvolvendo uma rede magnética para tentar “pescar” os detritos espaciais que estão na órbita da Terra. O sistema será testado no próximo mês.

7 anos atrás

GravityGeorge-Clooney-Sandra-Bullock-astronaut-characters-get-lost-space-when-craft-gets-destroyed-debris-dont-worry-two-have-enough-charisma-keep-you-entertained-even-when-just-two-them

Muitas missões espaciais e satélites em nossa órbita estão gravemente ameaçados, e isso não tem nada a ver com uma invasão alienígena, nem problemas climáticos. É tudo culpa nossa! Sim, humanos.

Milhares de pedaços de lixo espacial de missões passadas, como restos de antigos satélites e motores de foguetes ainda estão lá “flutuando” ao redor da Terra a velocidades perigosas. Especialistas estimam que centenas de toneladas de lixo espacial, em 20 mil pedaços de metal e outros materiais, estejam orbitando a cerca de 40.200 km/h. Quarenta mil quilômetros por hora!!! E esse cenário só está piorando.

Pois bem. Vocês se lembram no ano passado quando o Cardoso publicou a respeito da sonda Hayabusa2, que pretendia não só interceptar um asteroide e colher amostras, mas também recolher material abaixo da suas superfícies?

Para alegria da NASA, dos russos e da Sandra Bullock, a ambição da Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA, e não confundir com o cabeleireiro do Silvio Santos) não parou por aí, e agora eles estão desenvolvendo uma forma muito interessante de também recolher lixo espacial, inspirados em modelos muito bem conhecidos por pescadores: o plano é começar a limpar os céus com uma rede magnética gigante.

O sistema será testado no próximo mês com um satélite desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Kagawa, mas com um passo de cada vez. Assim que entrar em órbita, o satélite vai implantar primeiramente um fio de 300 metros, que vai gerar um campo magnético. Em teoria, deve atrair alguns dos dejetos existentes lá em cima.

A ideia é fazer com que estes pedaços capturados entrem na atmosfera e se dissolvam com ajuda das leis da física. Science, Bitch!

gravity-movie-2013-trailer-screenshot-debris

Se isso funcionar, poderemos ter uma eventual rede magnética orbital, o que será impressionante. Aliás, as empresas que vão trabalhar em parceria com a JAXA já fabricaram esta primeira rede, que terá apenas 30 cm de largura, mas com 1 quilômetro de comprimento, o que deve ser suficiente para atrair objetos de até 10 centímetros, considerado o limiar do risco para futuros projetos espaciais.

No futuro, a JAXA espera poder colocar as redes ao redor de grandes pedaços de lixo espacial, como satélites não funcionais intactos, e arrastá-los para fora da órbita. O primeiro satélite com a rede espacial deve ser lançado nos primeiros meses de 2019.

E você? Acha que isso vai dar certo?

Fontes: SCMP e ABC Science.

Leia mais sobre: , , , , , .

relacionados


Comentários