Meio Bit » Baú » Games » Entrevista: Glauco Bueno da Synergex Brasil

Entrevista: Glauco Bueno da Synergex Brasil

06/12/2007 às 10:31

Há alguns meses escrevi no Meio Bit sobre a Synergex, empresa canadense que estava vindo para o Brasil trabalhar com a distribuição de jogos. Conseguimos então uma entrevista com Glauco Bueno, diretor para América Central e do Sul da Synergex e que atualmente comanda as operações no Brasil, Chile e Colômbia.

Bueno já trabalhou na Atari e respondeu perguntas relacionadas ao mercado nacional e estrangeiro, futuros lançamentos e a possibilidade de termos jogos totalmente em português. Um papo esclarecedor sobre uma das empresas que promete ajudar a aumentar a venda de jogos no Brasil.

Meio Bit Games: Quais produtoras a Synergex irá representar no Brasil?

Glauco Bueno: Vamos trabalhar com Midway, Capcom, Square Enix, Game Factory, e os jogos para console da Atari, Disney e Ubisoft, e estamos fechando outros acordos.

Em plataformas, teremos Nintendo DS, Playstation 2, Playstation 3, PSP, XBox360 e Wii e também games para PC. Entre os primeiros títulos estão Stranglehold, jogo da Midway para PC, baseado no filme de John Woo; Disney´s Hight School Musical (PS2 /NDS) e Power Rangers: Super Legends (PS2/NDS), da Disney Interactive; Mega Man Star Force Pegasus (NDS) e Devil May Cry Collection (PS2), da Capcom.

Para os aficionados por luta teremos o Ninja Gaiden Sigma, da Tecmo, para PS3. E da Ubisoft Rayman Raving Rabbids (Wii/PS2), Ghost Recon Advanced Warfighter 2 (PSP/PS3), Blazing Angels 2: Secret Missions (PS3/X360); Brothers in Arms Double Time (Wii), Cosmic Family (Wii), Jam Sessions (NDS), Chessmaster XI (NDS) e títulos da série de TV CSI para NDS, Wii, PS2 e X360.

MBG: Os jogos serão duplicados no Brasil ou a Synergex irá importar as mídias e traduzir os manuais e embalagens?

GB: Os jogos para PC serão duplicados aqui, bem como a tradução e as caixas. Já os de console serão comprados diretamente dos publishers e manual e caixa serão produzidos aqui.

MBG: Acredito que a localização de embalagens e manuais seja algo um tanto trabalhoso, mas o que os jogadores realmente querem saber é: Vocês irão lançar jogos dublados e/ou legendados em português no Brasil?

GB: Inicialmente, apenas as caixas e os manuais serão em português. Trabalhamos para que no futuro exista a possibilidade de legendar ou traduzir completamente os jogos.

MBG: Infelizmente a pirataria é um mal que assola o mercado nacional. Vocês pretendem se unir de alguma forma ao governo para tentar combater a venda de produtos ilegais? O governo tem se mostrado interessado em parcerias deste tipo?

GB: O Governo faz muito pouco para resolver o problema de produtos ilegais ou que chegam de maneira ilegal no país. Estamos buscando parcerias para o combate desses males, venham elas de instituições públicas ou privadas, que visam o lucro ou não.

MBG: E em relação aos impostos? A vinda de empresas como a Microsoft, Nintendo (via Latamel) e Synergex para o país estão ajudando a fazer com que o governo repense a política de impostos considerada abusiva pela maioria dos jogadores?

GB: Ainda não sabemos de nenhuma movimentação do governo para diminuir a alta tributação de impostos de importação para videogames. Esperamos no entando que essa postura mude, pois todos os estudos que temos em mãos sugerem que se tivéssemos menos impostos as vendas seriam bem maiores.

MBG: Algumas pessoas ainda consideram o valor de R$ 90,00 caro por um jogo, na opnião de vocês, qual seria o valor ideal para seduzir de vez o consumidor?

GB: Para Playstation 2, R$60,00.

MBG: Como vocês estão vendo a produção de games no Brasil atualmente?

GB: Não temos como opinar a respeito disso, pois a empresa se estabelece há pouco tempo no país e ainda não teve a oportunidade de se reunir com produtores nacionais.

MBG: Existe o interesse da Synergex em distribuir jogos nacionais?

GB: Existe sim, inclusive para distribuir os jogos brasileiros em outros países onde estamos presentes como o México e o Canadá.

MBG: Quem acompanha a indústria de games há algum tempo está vendo a guinada que o mercado mexicano deu nos últimos anos. Na opinião de vocês, o que teríamos de fazer para que o mercado brasileiro também tenha sucesso?

GB: Precisamos ter menos impostos de importação e esforços incrementados de erradicação da pirataria.

MBG: Vocês acreditam que um sistema de distribuição digital como a Steam daria certo no Brasil?

GB: Acreditamos que ainda há muito espaço para os jogos da maneira que os compramos hoje: cd’s, manuais, etc.

MBG: Você poderia citar os futuros lançamentos previstos pela empresa para o Brasil?

GB: Temos duas coleções exclusivas chegando ao Brasil: a trilogia de Mortal Kombat e a de Devil May Cry. Também lançaremos as versões para PS3 e 360 de Beowulf, Haze para PS3, Assassin’s Creed para PS3 e 360, Brothers in Arms: Hell’s Highway; Ace Combat 6 para 360, Naruto Rise of a Ninja para 360. Além de Moto GP para PS2.

--------------------------------------------
Gostaria de agradecer a disponibilidade de Glauco Bueno e o apoio dado pela assessoria de imprensa da Synergex. Desejo muito sucesso a empresa e que o mercado nacional de games só aumente nos próximos anos.

Confira abaixo, em primeira mão, a capa do jogo Stranglehold já traduzida para português. Para ver ampliada, basta clicar na imagem.

relacionados


Comentários