Meio Bit » Baú » Demais assuntos » O problema não é o Linux, são seus amigos

O problema não é o Linux, são seus amigos

04/09/2008 às 12:19

Devido ao enorme sucesso do BlogCampSP (provavelmente) os hotéis em SP estavam lotados, então acabei tendo que incomodar o Fugita, do Techbits e aceitar seu convite de hospedagem. Ele é um anfitrião excelente, disponibiliza até WIFI para os convidados. Eis que na noite de domingo fomos subir as fotos que tirei do evento (disponíveis aqui). Não levei meu Mac, então usamos o computador do Fugita, este aqui:

31082008100

Diz ele que que comprou um Positivo e instalou Ubuntu, eu prefiro achar que algum chinês no Stand Center saiu oferecendo "ei, você, Mac you long time" e na inocência ele comprou gato por lebre.

Fomos para o site do Flickr, ver o que recomendavam para Linux, como ferramenta de upload. (o uploader nativo do Ubuntu é uma droga) Achamos o jUploadr. Filho único. É um programinha em java que deveria resolver nossos problemas.

Pois bem, descobrimos que ao adicionar a segunda conta de usuário no programa ele executava metade das operações com um usuário, a outra metade com outro. Fugita apagou seu usuário. Ele continuou aparecendo em alguns dos menus. Não há opção para acrescentar tags ou editar arquivos em grupo.

Há uma opção para rotacionar imagens, excelente. Mas quando começamos a subi-las, descobrimos que ele sobe a imagem original, não a rotacionada.

Uma das imagens, logo no começo da lista por algum misterioso motivo gerou um erro no programa, então ele se recusava a exibir ou manipular qualquer imagem depois daquela. Tivemos que remover todas e começar de baixo pra cima. Jogamos a que deu defeito, e funfou normalmente. Então do nada o programa morreu.

Chamamos de volta, ele recuperou parte dos dados. Perdeu as informações de rotação das imagens. Tudo bem, não funcionavam mesmo. Mas aí era tarde, soltei uns Linux Sux só pra irritar o Fugita mas ele acabou concordando "tem hora que é complicado mesmo". Mas a culpa é mesmo do Linux?

Claro que não. Digamos assim: A parte de reconhecimento do pendrive foi excelente. Ele se comportou como um Mac, sem aquele escândalo de avisos inúteis que o Windows dá. O problema foi o programa. Um lixo, TOTAL. Mesmo assim o recomendado pelo Flickr. Isso quer dizer que não acharam nada mais decente para sugerir.

Esse comportamento amador do desenvolvedor descompromissado é mais comum do que deveria, no mundo Linux / FOSS. É a Postura KDE: "É de graça, voluntário, então cale a boca e goste". Pombas, não é assim que a banda toca. Só porque é de graça não precisa fazer de qualquer jeito. Vide o Growl no Mac, ou o Firefox em qualquer lugar. São programas dentro do modelo gratuito e nem por isso feitos nas coxas.

Mesmo a estrela do mundo open source, o OpenOffice tem essa característica. Nem falo de ele ser a CARA do Office de 6 anos atrás e copiar até atalhos de teclado, isso eu entendo e gosto. Falo de pequenos bugs irritantes que NÃO deveriam existir em um produto teoricamente maduro.

O Linux está passando por um Efeito Palm, onde existem 10.000 aplicações, sendo que 9.000 são blocos de notas. Não adianta ter uma enorme base de programas no SourceForge, se 90% estão em alfa, pré-alfa, mal rodam ou passam por uma versão Linux do DLL Hell.

A comunidade tem que unir suas qualidades e compensar suas fraquezas. Um programador NÃO precisa fazer design de interface, os usuários NÃO precisam servir de cobaias, os programas precisam ser desenvolvidos e testados com regras claras de usabilidade, e por aí vai. Fazer de qualquer jeito para dizer que fez é o mesmo (e tem tanto efeito final) quanto traduzir 3 parágrafos de um manual que ninguém vai ler e dizer que "milita e colabora com o movimento opensource".

A saída para isso é COBRAR dos desenvolvedores mais qualidade, explicar que GPL não é licença pra produzir lixo. Ao mesmo tempo, divulgar as (se existirem) boas alternativas. Programa ruim deve ser enterrado, seja o Microsoft Bob, seja o jUploadr. Não interessa a licença, interessa a qualidade. É isso que o consumidor final quer. Duas horas da manhã depois de um final de semana super-cansativo, acho que nós dois enfiaríamos a mão na cara de alguém que nos visse batendo cabeça com aquele software-lixo e respondesse "mas vocês são livres".

relacionados


Comentários