Meio Bit » Baú » Software » A necessidade cria estranhos companheiros de cama

A necessidade cria estranhos companheiros de cama

28/07/2008 às 13:31

A Microsoft gosta de seus clientes pois isso significa dinheiro. A Apache Software Foundation precisa de dinheiro pois seus programadores não conseguem pagar o aluguel, quando o Seu Barriga bate na porta, dizendo "Eu desenvolvo um projeto open-source bem sucedido". Os clientes satisfeitos da Microsoft pagam a ela dinheiro. It´s the circle of liiiifee...

Isso mesmo. A Microsoft acaba de se tornar patrocinadora Platinum da Apache Software Foundation, juntando-se com Google e Yahoo.

A parte ruim é que isso não vai melhorar performance e compatibilidade do Apache httpd Server no Windows. Sim, vai continuar aquele lixão com problemas de compatibilidade e lerdeza. O interesse da Microsoft é o Apache POI, um componente que abre uma série de APIs em Java para manipulação de arquivos OpenXML.

São US$100 mil por ano, que pode não ser muito para mim ou para você, mas para o pessoal da ASF é muito mais que troco de pinga.

Claro, os xiitas do Groklaw estão chiando, mas eles sempre reclamam. Se a Microsoft descobrir a cura do câncer sairá lá uma manchete "Microsoft destrói carreira de milhares de oncologistas".

O patrocínio foi fruto de um contato iniciado por Andy Oliver, criador do Apache POI, que contactou em Junho Sam Ramji, evangelista Open Source da Microsoft, atrás de documentação e esclarecimento sobre licenças. Saiu com mais do que pediu.

No caso, as especificações estão protegidas pela Open Source Promise, onde a Microsoft se compromete a não exercer qualquer direito de patentes sobre o código e documentação divulgados. Alguns detalhes não se encaixavam na licença, então concordaram em assinar um acordo em separado com a Apache Software Foundation.

Em seu blog Andy Oliver publicou um esclarecimento e agradecimento bem legal. Ele chegou a doar o POI para a fundação Apache por medo da Microsoft.

Claro, o pessoal da Free Software Foundation se quiser pode protestar, digitando rm apache ou algo assim, em seus servidores...

PS: Bom mesmo é ver que o conceito de CÓDIGO ABERTO é complexo demais para ser assimilado por todos. Vejam o comentário de um leitor do br-linux (sim, eles também têm salsinhas)

Eu li essa notícia ontem, não deixa de ser interessante e de certeza a Microsoft tira outros tipos de proveito em cima disso, afinal ela pode observar o código e ver o modo que o pessoal implementou alguma solução.

Fonte: BRLinux, Port25, Ars Technica

relacionados


Comentários