Meio Bit » Baú » Hardware » CherryPal: "cloud computing" para o resto de nós?

CherryPal: "cloud computing" para o resto de nós?

23/07/2008 às 6:17

Em um mundo ideal, talvez nossos micros não passassem de "web devices", acessando um servidor remoto, onde estariam guardados nossos programas, documentos, informações, tudo. Algo como o g.ho.st.main_prod02

Pensando nessa Utopia, a CherryPal Inc. lançou o... CherryPal Desktop: um... dispositivo... composto por um microprocessador de núcleo Power (MPC5121e, da Freescale), rodando a 400MHz (760 MIPS), 4GB de SSD, 256MB RAM DDR2, WiFi, duas portas USB 2.0, Ethernet 10/100, saída VGA, saída de áudio e pesando menos de 300g. A idéia é que o usuário compre separadamente o teclado, mouse e monitor e, depois disso, acesse a CherryPalCloud®, uma "nuvem" onde estarão seus programas e arquivos. A parte boa da história: o equipamento consome apenas 2W.

Sob a caixa do CherryPal há uma versão modificada do Debian, um navegador Firefox, uma suite OpenOffice, iTunes, um programa de mensagens instantâneas e "...More programs will be added on an on-going basis...". Na "nuvem" (ou seja, nos servidores da CherryPal Inc.), o usuário terá direito a 50GB de armazenamento e a empresa jura que toda a transmissão será criptografada.

O custo do equipamento é de US$ 249,00 (lá) e ainda não há informações de quanto custará a assinatura (vocês não acham que será "di grátis", não é?) ou se todo o sistema será baseado em propaganda.

Há vários problemas nessa abordagem "cloud computing". Primeiro: se a rede parar, você estará sem acesso a dados e programas. Segundo: você confiará dados sensíveis a terceiros... e não estamos falando aqui de uma empresa do tamanho da Google.

Terceiro: com o gravador de DVD, monitor, teclado e mouse vendidos separadamente, talvez o custo não compense no longo prazo (ainda deve ter uma assinatura mensal).

Quarto: você investe na idéia. Acredita. Enche 50 GB de dados... e, de repente, a empresa fecha as portas. E aí? É preciso levar em conta o custo do backup local.

Não acredito muito, não.

[via EETimes]

relacionados


Comentários