Meio Bit » Baú » Indústria » Windows for Warships

Windows for Warships

14/07/2008 às 6:46

Você achava o OLPC do Stallman o último lugar do mundo onde veria um Windows? Que tal um submarino nuclear?

Exato. Os contratorpedeiros ingleses classe 45 e submarinos Vanguard virão com o SCMS-NG , Submarine Command System, uma estrutura de TI de nova geração (do ponto de vista militar) rodando uma versão customizada do Microsoft Windows, baseado no kernel do 2000.

O sistema já foi testado em campo, e foi aprovado pelo Ministério da Defesa, mas a decisão foi bem controversa. Tudo surgiu quando a Marinha de Sua Majestade percebeu que estava muito defasada. Um contratorpedeiro classe 42, por exemplo, tem seus sistemas baseados em processadores de 1MHz e 256KB de RAM. Upgrade de hardware mais a necessidade de cortar custos levou ao abandono de sistemas proprietários, e à escolha do Windows.

WFW

As empresas que perderam a licitação reclamaram bastante. Algumas alegaram que o Windows era inseguro e poderia ser facilmente invadido, outras afirmaram que era instável e outros defenderam suas soluções *NIX. Isso rendeu consultas do Parlamento, que ficou satisfeito com as respostas, que afirmaram ser o sistema baseado em redundância, com fallback transparente para o backup em caso de pane.

Curioso é que a imprensa de oposição está pegando o lado Open Source como "aliado", e caprichando no FUD (Medo, Incerteza, Dúvida). Alegam inclusive que o Windows é vulnerável a cookies e spyware (cookies são malvados?). OK, claro que é, principalmente o 2000, mas desde quando uma rede de computadores controlando os sistemas de defesa vitais de um navio de guerra teria uma conexão aberta com a Internet?

Equivale a dizer que o HD é inseguro pois pode ser roubado.

Qualquer que seja o sistema usado é um avanço. No modelo antigo toda a entrada de dados era feita via teclado, com comandos tão intuitivos como "PE L5414.10N L00335.67E R6000 TMDA [INJECT]". Uma interface touch screen, ou mesmo via mouse é muito mais eficiente quando não se pode errar um comando.

Foi a melhor escolha? Não sei. A Microsoft tem a infraestrutura necessária para dar suporte a um projeto dessa magnitude. O Linux seria mais barato? Não. O custo das licenças nesse tipo de projeto é irrelevante, e uma empresa contratada não cobraria mais barato por usar Open Source, a facada seria grande anyway. Teríamos mais estabilidade? Não. O 2000 é um sistema bem-comportado em situações controladas. Tive servidores Win2000 que ficaram 8 meses sem reboot.

Acho que um lado romântico leva o pessoal do pinguim a gostar dele não ter sido escolhido, afinal quanto menos o Tux se envolver com armas de guerra, melhor.

Fonte: The Register

relacionados


Comentários