Meio Bit » Baú » Mobile » Reciclagem de Celulares: Vergonha Mundial

Reciclagem de Celulares: Vergonha Mundial

10/07/2008 às 19:26

A Nokia fez uma ampla pesquisa sobre reciclagem e chegou a resultados assustadores:

Somente 3% dos usuários reciclam seus aparelhos. Muitos por ignorância - Em média 50% dos entrevistados sequer sabia que celulares podem ser reciclados. Claro, na FInlândia 80% dos usuários sabe que telefones são recicláveis. Na Índia são somente 17%.

Foram 6500 entrevistados em 13 países, onde descobriu-se que o usuário tem em média 5 aparelhos. Pode parecer exagerado, mas se somar os que estão abandonados nas gavetas, o número vai bater certinho.

walle

"Ah, mas é só um telefoninho" - Bzzt, errado. Segundo Markus Terhi, Diretor de Assuntos Ambientais da Nokia com três bilhões de usuários de celulares no mundo, devolvendo para reciclagem UM de seus aparelhos velhos a economia em termos de energia, matéria-prima e emissões seria equivalente a retirar 4 milhões de carros das ruas.

44% é a média mundial dos consumidores que guardam os aparelhos velhos em casa, já no Brasil esse número cai para 32%. A média de reciclagem que no mundo é 3% no Brasil cai para 2%, mas isso não é necessariamente ruim. Quem não guarda o telefone em casa passa adiante, para um parente, vende para amigos, etc. Meu antigo Sony-Ericsson T68i, um dos melhores telefones que tive até pouco tempo ainda estava sendo usado por um amigo meu.

As empresas colaboram, montam programas de reciclagem de celulares, como o da Nokia, mas mesmo assim os números são pífios. 3%? Vejamos o percentual de reciclagem de alguns materiais:

  • Asfalto: 80%
  • Alumínio: 60%
  • Jornais: 56%
  • Garrafas PET 37%

Isso tem uma explicação: Ninguém recicla carro. Não o SEU carro. Não se joga carro fora, não existe posto de coleta de carro velho. Carros custam caro. Assim como celulares. Eu NUNCA daria meus queridos celulares (eu me apego) para reciclagem. Ao contrário de peças descartáveis como latas e garrafas e CDs do Windows ME, um celular não perde a percepção de valor, a não ser que seja um Tijorolla de 1a ou 2a geração. Conscientemente tirar um telefone que usamos, gostamos e funciona da gaveta, que custou caro (o telefone, não a gaveta) e entregar pra reciclagem é quase como apontar pros soldados "É aquele, o cabeludo no meio da mesa" SEM receber sequer as moedas de prata.

A saída seria um outro modelo, com incentivos, onde seu telefone antigo valeria (bons) pontos na troca por um novo, ou créditos em lojas online, ou aquele panda de pelúcia lindo do WWF.

relacionados


Comentários