Meio Bit » Baú » Software » Nokia: Desenvolvedores Open Source devem aceitar o DRM

Nokia: Desenvolvedores Open Source devem aceitar o DRM

16/06/2008 às 12:56

Em uma conferência do Handsets World, em Berlin, o Chefe de Software da Nokia, Dr Ari Jaaksi disse que a comunidade Open Source precisa aprender como funciona o mundo do desenvolvimento e implantação de aplicações Mobile. Esse mundo, segundo ele, inclúi DRM - Digital Rights Management, Propriedade Intelectual, SIM locks, modelos de subsídio e tudo mais que estamos acostumados a aceitar (com ou sem KY) das operadoras.

Ele reconhece que isso vai contra a filosofia do Open Source, mas o mundo real, de operadoras, fabricantes e intermediários funciona assim. Foi mais enfático ainda:

"Como indústria, planejamos usar tecnologias Open Source, mas não estamos prontos ainda para jogar pelas regras"

rms_katana

Acho que o Pessoal do Software Livre / Open Source provavelmente vai seguir o exemplo de nosso guru aí de cima...

As declarações do Ari Jaaksi foram absolutamente desnecessárias, ele está forçando uma postura mercadológica em um segmento onde essa postura surge naturalmente, darwinisticamente. Há desenvolvedores que usam sem problemas DRM e similares em seus programas, outros não. É uma questão de escolha. O que não dá, e é uma posição que muitos fabricantes, induzidos por operadoras de telefonia assum, como fechar seus aparelhos, proibindo todo e qualquer conteúdo que NÃO seja devidamente monetizado (SEM KY, com areia) pelas telefônicas, onde 15 segundos de música custam mais do que uma faixa inteira no maligno iTunes que os xinglingTards gostam tanto de falar mal.

O mundo das aplicações mobile Open Source vive muito bem, no iPhone, no Symbian, no Windows Mobile. Não precisam de DRM, eu não quero baixar um certificado digital para ver minhas fotos, muito menos um telefone fechado que não me permita mandar um arquivo para outro, via Bluetooth (viu, Vivo?).

Isso não atende aos interesses da Nokia? Só lamento. Ari Jaaksi , desenvolva seus próprios programas, deixe a Comunidade em paz.

Fonte: Business Week

relacionados


Comentários