Meio Bit » Baú » Indústria » Intel se alia à Cray pelo mercado de supercomputadores

Intel se alia à Cray pelo mercado de supercomputadores

29/04/2008 às 7:32

70% dos supercomputadores do planeta utilizam tecnologia Intel, mas por algum motivo a marca não é associada a esse nível de desempenho. Em busca principalmente da exposição que esse tipo de posição garante, a Intel se aliou ao fabricante mais clássico de computadores monstruosamente poderosos, a Cray.

Criada pelo True Hacker Seymour Cray, a empresa com seu nome lançou em 1975 o Cray-1, um supercomputador com incríveis 80 MHz de clock. E se você acha isso ridiculamente lento, pense de novo. Era 1975. O IBM-PC XT só seria lançado em 1983, com 4,77 MHz de clock e 128 kB de memória. O Cray, em 75, vinha com 1 MB, podendo ir até 8 MB de RAM. Ah sim, ele já era um sistema baseado em 64 bits. Chuuuupa Intel, AMD, Microsoft, Linux, IBM, etc.

Em termos de processamento, um 386DX a 40 MHz processa dados a uma velocidde de 8,5 MIPS; em 1988, quando foi lançado. O Cray-1, em 1975, chegava a 160 MIPS. Claro, isso custava um tiquinho. Algo como 5 toneladas de peso, unidade de resfriamento a freon e 115 kW de consumo, só pra CPU. Mais ou menos como uma GeForce topo de linha, dentro de uns dois anos.

A relação da Cray com os concorrentes era a mesma da Apple com a Dell. Não bastava fazer excelentes computadores. Era preciso fazer computadores BONITOS. Assim a IBM enchia o mundo com seus armários sem-graça, enquanto a Cray produzia obras de arte como este CRAY X-MP:

A Apple aliás teve uma boa relação com a Cray. Seymour Cray usava um desktop Apple como seu computador de trabalho, e a Apple comprou vários Crays, usando mais tarde um deles como simulador para rodar o MacOS, em modo monousuário.

Com o acordo a Intel quer patrocinar, com a Cray, a construção de máquinas que trabalhem na casa de petaflop/s (1 petaflop/s == 1.000.000.000.000.000 instruções em ponto flutuante por segundo). Esse nível de velocidade permite simulação de explosões nucleares, modelagens de padrões climáticos com precisão, pesquisa de medicamentos, avanços em inteligência artificial e talvez até rodar o Crysis em 1024×768 em 25 fps.

Fontes: Wikipedia, Reuters.

relacionados


Comentários