Meio Bit » Baú » Hardware » MIG-29 para UAV da Georgia: Pede pra sair!

MIG-29 para UAV da Georgia: Pede pra sair!

22/04/2008 às 13:36

Não deu nem tempo da CPU do UAV-Unmanned Aerial Vehicle gritar "Goooooossee!", e não adiantou pedir "na cabeça não pra não estragar o velório". O MIG-29 russo soltou um míssil de curto alcance, provavelmente um AA-11 Archer guiado por infravermelho, e mandou a aeronave de reconhecimento não-tripulada pro inferno.

A covardia (atirar em UAVs assim é igual a tiro ao alvo em parque de diversões) aconteceu segundo a Georgia, dentro de seu território, quando o UAV estava fazendo uma missão de reconhecimento, para o Ministério do Interior. O MIG russo teria invadido o espaço aéreo da república vizinha e destruído a aeronave.

O interessante mesmo é que o UAV gravou os momentos finais de sua curta vida, vejam o vídeo:




A silhueta do MIG-29 é inconfundível, exceto se houver um F-15 por perto. O UAV não teve a mínima chance. Mesmo assim a Rússia nega o incidente, no melhor estilo "bota na conta do Papa, digo, do líder da Igreja Ortodoxa".

O falecido era um Hermes 450, com 10m de envergadura, motor de 52HP, altitude de cruzeiro de mais de 18 mil pés e autonomia de 20 horas. O modelo é produzido pela indústria israelense ElBit Systems, que não tem nenhuma relação com o MeioBit.

E se você acha que isso é coisa de primeiro mundo (não que a Georgia seja primeiro mundo), fique sabendo que um dos centros de pesquisa reconhecidos na comunidade internacional, na área de UAVs é o Centro de Estudos Aeronáuticos da UFMG.

Na foto, o FS-01 Watchdog, um dos UAVs criados pela UFMG e depois aperfeiçoado e comercializado pela Flight Solutions, empresa nacional da área de aeronáutica.

Será esse o projeto secreto do Marcellus?

Esse tipo de tecnologia tem muitos usos, além de servir para irritar MIGs. Aqui no Rio, por exemplo, sairia muito mais em conta colocar um ou dois vigiando as principais favelas, do que gastar uma fortuna no famoso "dirigível da Benedita", ou arriscar vida de policiais em helicópteros.

Fontes: Times Online, Israeli Weapons, Reuters

relacionados


Comentários