Meio Bit » Baú » Internet » Pesquisa comprova: Há mais patos do que patas online

Pesquisa comprova: Há mais patos do que patas online

04/04/2008 às 14:41

As salsinhas contra-atacam, principalmente as salsinhas masculinas. O Centro de Reclamações de Crimes de Internet, do Governo dos EUA compilou 206.000 reclamações recebidas no ano passado.

Nós homens, tão espertos, fomos engabelados muito mais do que as mulheres, mesmo as louras.

Para cada Dólar perdido por uma mulher, os homens perderam US$1,67. Eu até poderia fazer uma piadinha sem-graça dizendo que na verdade os maridos perderam no total US$2,67, mas isso só pioraria nossa condição.

John Kane, pesquisador responsável pelos resultados, explica que homens são mais propícios a comprar equipamentos eletrônicos caros, o que justificaria os valores mais altos. Baseado em uma rápida, superficial e 100% correta análise do SPAM que recebo, eu diria que homens gastam mais dinheiro em fraudes online não por causa de aparelhos eletrônicos caros não-entregues, mas...

e

Mulheres são tão inseguras quanto homens, mas internalizam sua insegurança. Homens com síndrome de pinto pequeno resolvem isso comprando um Audi ou um BMW, ou um MacBook Air, se for um geek inseguro. Mulheres preferem chocolate. Já homens com pinto pequeno E pobres tentam resolver seus problemas com [email protected]/\ Natural e outras bobagens anunciadas em SPAM.

A oferta de picaretagem para mulheres via spam é bem menor, é raro alguma boa safadeza aparecer por email, como o pessoal que promete Aumentar Os Seios Via Hipnose.

As perdas para fraudes online nos EUA em 2007 foram de US$239 milhões, contra US$40 milhões em 2006, número que inclúi o velho esquemão do Email da Nigéria (média de US$2.000 perdidos por consumidor lesado), fraudes de investimentos (US$3.500 - aqueles emails com dicas "ótimas" sobre ações), fraudes com leilões (média de US$450 por lesado) entre outros.

Curiosamente o número de queixas diminuiu. Foram 231.000 em 2005, contra as já citadas 206.000 em 2007. Pelo visto há menos otários no mercado, mas otários mais ricos. Por quanto tempo?

Fonte: NetworkWorld

relacionados


Comentários