Meio Bit » Arquivos » Indústria » Softwares realmente caros

Softwares realmente caros

05/03/2008 às 10:47

Custo de software já é um assunto polêmico. Se por um lado temos pessoas que pagam R$ 860,00 pelo Vista, temos pessoas que não pagam R$ 10,00 pelo Ubuntu. Mas, além desse mundo de softwares para usuários finais, existe um outro, bem além, onde as cifras são inimagináveis para pessoas físicas: é o mundo do software corporativo.

leather_memory_wallet4 AutoCAD? Delphi Architect? SQL Server Enteprise? Esqueça. Nem o Oracle chega a ser considerado um sistema caro, acredite. Mesmo levando em consideração que, dependendo do tipo da licença, ele pode custar entre 5.000 e 50.000 reais.

No mundo das empresas falamos de sistemas, e não de softwares, apesar de que do ponto de vista do algoritmo e do modus operandi os dois serem a mesma coisa.

Estes softwares são "baratos" porque sua demanda é alta. Consequentemente existe uma amortização grande já que o custo de replicação é zero. A situação se complica conforme a aplicabilidade do sistema se torna mais específica.

Quando você daria por um sistema de gerenciamento de telemedição? 20.000 reais? 40.000? Façamos o seguinte: fechamos em 50.000 e você pode levar a versão mais básica. Considere que o sistema é modular e que, dos 200 módulos de expansão disponíveis você leva... Nenhum.

Sistemas desse porte não são vendidos por menos de R$ 100.000,00, mas ainda esses são extremamente básicos.

Vamos cortar a ladainha e ir direto ao ponto: algumas semanas atrás eu preparei a venda de um sistema que será comercializado por... R$ 1.700.000,00 (hum milhão e setecentos mil reais). Não, eu não ganho comissão. E não, esse milhão e pouco não dá direito a uma caixinha colorida com um CD/DVD prensado dentro. Mas por outro lado, iremos a qualquer lugar do Brasil (ou da América Latina) instalá-lo para você.

A parte mais interessante é que, colocando um sistema desse nível lado-a-lado com um Paint da vida, a interface gráfica parece coisa de Windows 3.1 ou GTK 1.0. O desenvolvimento é voltado para aplicações críticas e um dia de downtime pode significar quatro vezes mais que o custo do sistema em si.

Esqueça o Vista. Quando falamos de softwares realmente caros não nos referimos a nada cujo preço não precise ser informado pessoalmente.

relacionados


Comentários