Meio Bit » Baú » Software » Software Livre não está "livre" de regras de mercado

Software Livre não está "livre" de regras de mercado

08/02/2008 às 18:24

O caso Jegue Panel gerou uma das maiores discussões já vistas na comunidade de software livre nacional. O desabafo do autor é um relato de alguns problemas intrínsecos não do software livre em sí, mas na crença, ou melhor, pregação, de que se for livre, tem que ser gratuito.

Não importa qual o modelo você adote: closed source, open source, shared source, GNU/GPL, MIT, StallmanGL, Che Guevara Social Software, é preciso um plano. O conceito enoja muitos universitários ingênuos, dentro da bolha bolchevique-idiotico-social que assola universidades brasileiras. Querem melhorar o mundo, lutar contra a Microsoft (e comem no McDonald´s, mas tudo bem) uma linha de código livre de cada vez. Isso é possível! Mas é preciso de um plano de negócios.

Um exemplo recente de empreendedorismo? Google. Nascido de uma tese de doutorado, hoje a empresa enfrenta a Microsoft numa enorme frente e caminha para tornar-se um monopólio... construído em cima de várias tecnologias open source. Sim, eles tinham um plano.

Não existe fórmula mágica e as regras servem para qualquer um. Se o JeguePanel tivesse outro nome, totalmente em inglês como brasileiro gosta: UbuntuKillerAdminPanel, sem um plano de negócios de curto, médio e longo prazo, o resultado seria o mesmo: o autor pedindo emprego e decepcionado. Se fosse chamado de ExchangeWorldWidePanel, código fechado, custando 1 real, sem planejamento, o resultado seria o mesmo.

A Wikipedia possui um plano de negócios. Vivem de donativos. É um modelo. Blogueiros descobriram que para profissionalizar, precisam adotar táticas de empreendedores: colocar adsense, otimizar o blog para ferramenta de busca, conteúdo relevante e receber links, pagerank, etc. O Linus Torvalds criou um plano para o Linux ou você ainda é daqueles que acredita ter sido um acidente?

O recado desse post é que a comunidade nacional deve algo importante ao Anahuac: aprender com os erros dele. Uma forma de começar acertando é visitar o website do Senac e o Plano de Negócios.

Algumas perguntas:

- Quem são seus concorrentes?
- Quais os diferenciais do seu software?
- Qual a expectativa de ajuda com testes de voluntários em 12 meses?
- Quem são os seus clientes em potencial?
- Quais as formas de divulgação?
- Quanto custa a hora de suporte para adição de uma nova funcionalidade para um cliente? É competitivo?
- Mais perguntas, meu modelo de negócios diz para cobrar US$ 19,90 por um arquivo PDF com DRM... hum, acho que preciso rever o plano.

relacionados


Comentários