Meio Bit » Baú » Indústria » Empresa quer criar GPS com precisão de centímetros a US$ 900

Empresa quer criar GPS com precisão de centímetros a US$ 900

Estudo pretende criar GPS com precisão de centímetros a custo relativamente baixo.

05/08/2013 às 17:57

38a47bf9c79748774f2ec66db473d453_large

Uma empresa chamada Swift Navigation, com sede em São Francisco, na Califórnia, está conduzindo uma pesquisa de desenvolvimento de um sistema de localização global com precisão de centímetros, focada em equipamentos para carros autônomos. E eles querem que o produto final custe, no máximo, US$ 900.

Colin Beighley e Fergus Noble são dois engenheiros que vêm trabalhando com GPS há alguns anos. Dentro deste período os caras criaram coisas bem legais, mas invariavelmente se viam limitados pela precisão dos modelos comerciais de GPS que existem hoje em dia. Enquanto um GPS é relativamente eficiente em medir a posição global com variação de metros, eles se mostram inaptos para projetos que exijam precisão em centímetros. É por isso que Colin e Fergus estão projetando o que chamaram de Piksi GPS Receiver.

Enquanto a maioria dos receptores de GPS trabalha apenas com os dados vindos de satélites de GPS, o Piksi usa uma outra técnica, chamada Real Time Kinematics (RTK), para determinar a localização do receptor com precisão exata. Ela é utilizada em levantamentos terrestres baseados no uso das observações de fase da portadora dos sinais do GPS, GLONASS ou Galileo, onde uma estação de referência fornece correções em tempo real, que possibilitam um nível centimétrico de acurácia.

A ideia báscia por trás do RTK é olhar para a frequência das operadoras em sinais GPS de 1.575,42 MHz. Essa frequência possui uma tamanho de onda de 19 cm, comparado à alternância de 0s e 1s do que é transmitido em torno de 1 MHz, ou cerca de 300 metros entre cada um dos bits.

5b2cc0134c66c12065a33f860993f558_large

Todavia, por esse motivo, a precisão em centímetros não é possível com apenas um receptor. A solução então é fazer duas placas Piksi trabalharem juntas: Uma na estação base e outra em um veículo, conectados via link de radio. Isso pode, portanto, criar um modelo de recepção de GPS muito preciso.

d13fd19b83a1b8b4e8a5261106c0a24c_large

Os modelos comerciais de sistemas RTK custam milhares de dólares. Logo, pensar em um sistema assim para carros, e qualquer projeto pessoal, torna-se sem sentido e inviável. Colin e Fergus querem construir um hardware, controlado com software de código aberto, que mesmo com a montagem custe menos de US$ 1.000,00. Se você quiser colaborar, basta entrar neste link e seguir as instruções ou fazer sua doação.

Pensando cá com meus botões, talvez exista uma maneira ainda mais barata de manter um sistema assim, em vez de utilizar duas unidades. Se você já tem a base, podemos pensar em gerar sinais diferenciais e medir a fase no receptor. Isso eliminaria a necessidade do uso de um GPS tradicional (que, acredito seja mantido apenas por segurança ou segunda consulta).

De qualquer forma, é uma técnica interessante. Não acredito que eles estejam falando de precisão ABSOLUTA (o que soaria maluquice). Entendo que eles estejam reiterando o uso de dois receptores para o sistema e que a novidade do sistema proposto seja basicamente a melhoria do software, portanto creio que este seja um estudo promissor, e quero vê-lo sendo aplicado no mundo real. Quem sabe?

Fonte: Swift Nav.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários