Meio Bit » Baú » Internet » Inteligência artificial passa-se por garota de 14 anos para caçar predadores na internet

Inteligência artificial passa-se por garota de 14 anos para caçar predadores na internet

O projeto iniciou-se na Universidade de Deusto (de Bilbau, no País Basco, Espanha), em função da preocupação com a presença crescente de crianças na internet e o limitado sucesso nas maneiras tradicionais de combater predadores virtuais.

10/07/2013 às 17:01

Lolita

Crédito da imagem: reprodução.

O projeto iniciou-se na Universidade de Deusto (de Bilbau, no País Basco, Espanha), em função da preocupação com a presença crescente de crianças na internet e o limitado sucesso nas maneiras tradicionais de combater predadores virtuais.

Conhecido como “agente de conversação”, o programa usa um processo conhecido como teoria dos jogos para simular o comportamento de uma menina. Ele inclusive lembra o que foi conversado antes, e quando, para convencer o suspeito de que é real.

O Negobot (cuidado, PDF) usa erros de digitação e erros deliberados de linguagem para aumentar a credibilidade de sua personalidade de uma “Lolita” de 14 anos.

Segundo Carlos Laorden, pesquisador da universidade:

Bots utilizados em bate-papos são muito previsíveis. Seu comportamento e interesse em uma conversa são rasos, o que é um problema na hora de detectar pedófilos. Nós conseguimos produzir um bot cujo comportamento varia durante uma conversa. O robô utiliza uma espécie de múltipla personalidade, com sete tipos de “inteligências” que se comportam cada uma de sua maneira. Esses níveis vão sendo acionados conforme a conversa se torna mais íntima ou sugestiva.”

Ele inicia a conversa de maneira passiva e neutra, seguindo a linha do bate-papo onde acredita-se que o suspeito esteja agindo. Dependendo da técnica aplicada pelo predador, o programa escolhe sua tática para chamar a atenção. Se o suspeito tenta obter informações pessoais, o robô tenta descobrir mais sobre ele.

os pedófilos mais perigosos são muito cuidadosos com suas informações pessoais, hoje em dia um perfil em rede social, um telefone celular ou um e-mail são suficientes para as autoridades iniciarem uma investigação.

O programa precisa ser monitorado, no entanto. Mesmo tendo grande habilidade para conversar, é incapaz de detectar ironia, por exemplo.

Fonte: News.com.au

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários