Meio Bit » Arquivos » Games » Que tal jogar Pong usando somente o cérebro?

Que tal jogar Pong usando somente o cérebro?

Candidato a Ph. D cria versão do clássico arcade controlado apenas com comandos mentais, com ajuda do brasileiro Dr. Miguel Nicolelis

24/06/2013 às 12:00

gogoni-pong

Não é de hoje que pesquisadores tentam criar interfaces para que possamos interagir com programas usando única e exclusivamente a mente. Mas acredito que essa é uma das tentativas que mais tem chamado a atenção, não só por utilizar um game para isso, mas também por ter demonstrado resultados satisfatórios.

O candidato a doutorado Universidade de Duke David Schwarz desenvolveu uma interface que permite que pessoas consigam jogar Pong, o clássico game da Atari, usando apenas o "poder da mente". Ele o fez para entreter os estudantes durante um evento de verão onde apresentarão diversos projetos, mas seu experimento tem chamado bastante atenção não só pela iniciativa em si, mas por ter recebido o auxílio do Dr. Miguel Nicolelis, especialista em invenções para aperfeiçoar a interface cérebro-máquina.

o invento consiste de um acessório com eletrodos que o usuário deve colocar na cabeça, ligados ao game. Apesar de no início Schwarz ter observado que os alunos faziam gestos ou piscavam para controlar a barra, com o tempo e prática apenas comandos mentais eram necessários. Todos que testaram o game se dizem maravilhados.

Jourdan Bethea, graduando da Universidade de Duke, testa o experimento

"Eu acho que é a coisa mais incrível de todas", disse o estudante Sam Murphy, de 14 anos. "Eu apenas penso e a barra sobe". Já um dos assistentes disse que jogou o Brain Pong "por uma hora e meia, sem parar".

Schwarz quer que seu invento ajude a promover que games também podem ser usados para educar e, por que não, ensinar sobre ciência. Mas acima de tudo, ele sabe o que é mais importante para qualquer experimento ser bem-sucedido em atrair pessoas:

É preciso que ele seja divertido, antes de qualquer coisa".

Fonte: N&O via Polygon.

relacionados


Comentários