Meio Bit » Baú » Segurança » Segundo denúncia Apple, Microsoft, Facebook e Google entregam dados de usuários à NSA voluntariamente

Segundo denúncia Apple, Microsoft, Facebook e Google entregam dados de usuários à NSA voluntariamente

Em nova polêmica, segundo o Washington Post a NSA estaria coletando dados de grandes empresas de tecnologia amercianas, que os forneceriam voluntariamente

07/06/2013 às 9:00

NSA is watching you

E parece que a administração Obama anda ouvindo muito mais do que se pensava. Após o Guardian revelar que a NSA coletava dados de usuários da Verizon, surge uma denúncia ainda mais grave: de acordo com um documento conseguido pelo Washington Post, nove grandes empresas de tecnologia cederam voluntariamente todos os dados de usuários à NSA e FBI, em troca de imunidade jurídica.

Segundo slides conseguidos pelo jornal, Microsoft, Apple, Google, Yahoo!, Facebook, PalTalk, AOL, YouTube e Skype cederam os dados a um projeto da NSA chamado "PRISM", que visa proteger as empresas em processos jurídicos em troca de sua cooperação. Segundo os slides a empresa há mais tempo no projeto é a Microsoft (2007) e a mais recente a Apple (desde outubro de 2012).

Mas diferente do escândalo da Verizon, onde havia indício de que apenas os números de telefone e duração de chamadas eram armazenados, neste caso a NSA coleta tudo: conteúdos de e-mail, conversas em chats (texto, áudio e vídeo), fotos, dados armazenados, videoconferências, chamadas via VoIP, pesquisas online, detalhes nas redes sociais, logins... além de requisições especiais feitas pela agência. Segundo um funcionário de alto escalão da NSA:

"A agência pode literalmente ver suas ideias se formarem enquanto você digita".

Claro, novamente é humanamente impossível verificar tudo isso presencialmente, já que a maior parte do fluxo de dados passa pelos Estados Unidos, o que significa que a NSA monitoraria todo o tráfego do planeta. O mais provável é, caso seja verdade, que os dados são simplesmente armazenados e catalogados automaticamente, através de busca de palavras-chave ou origem dos dados.

Apesar de ausentes Twitter e Dropbox são, segundo fontes, os próximos a integrarem a lista. Como de praxe, as empresas negaram conhecimento desse acordo.

Claro, há uma histeria infundada nisso tudo. Armazenar os dados de todo mundo não significa que o governo escuta cada palavra sua o tempo todo. Não somos especiais, somos comuns; somos números, estatística. Um grande banco de dados cujas informações serão cruzadas para pegar quem o governo norte-americano realmente está atrás: terroristas. Tudo isso é para proteger os cidadãos americanos, a velha desculpa de sempre, claro, mas se você não deve nada não há o que esconder.

Esse é o preço por vivermos no futuro, privacidade é um conceito, mas nem por isso você é observado o tempo todo. Agora se você é paranoico, acha que a NSA é o Grande Irmão e vigia cada passo seu, a única alternativa possível seria desconectar de tudo e ir morar numa caverna.

Fonte: WP.

relacionados


Comentários