Meio Bit » Arquivos » Indústria » Histeria do Dia: XBox One vai espionar nossas vidas

Histeria do Dia: XBox One vai espionar nossas vidas

Outro dia outra histeria. Agora é o medo do Kinect espionar a sala dos jogadores.

27/05/2013 às 10:16

HAL-watches-the-astronauts-through-the-glass-in-2001-A-Space-Odyssey

Claro que o ódio generalizado contra o XBox One não chega aos pés do concentrado o Google Glass, mas o novo console da Microsoft angariou uma boa quantidade de profetas do apocalipse. Agora, além de prever o fracasso inexorável da plataforma, os arautos da destruição trouxeram outra preocupação: O XBox Sabe o que você fará no verão passado do ano que vem.

Como o equipamento se centrará em reconhecimento visual e comando de voz, o Kinect permanecerá ligado o tempo todo. Faz sentido, um equipamento com controle de voz que precise de um botão para ser acionado não faz sentido, passa a sensação de tecnologia pela metade. Sim, SIRI, estou olhando para você. Android e Windows Phone, também. Ter que apertar um botão para não ter que usar as mãos não é intuitivo.

Mesmo assim esse avanço natural é motivo para conspiradores imaginarem uma distopia totalitária onde cada aspecto de nossas vidas será vigiado pela Microsoft, ou pior, por hackers inescrupulosos que facilmente hackeiam o XBox nosso de cada dia.

O xkcd como sempre foi na mosca: A melhor frase quando você não tem nenhuma opinião real sobre uma nova tecnologia, que te faz parecer sábio sem dizer realmente nada:

“Talvez antes de corrermos e adotarmos <NOVA TECNOLOGIA DO DIA> devêssemos parar e considerar as consequências de alegremente dar a essa tecnologia um lugar tão central em nossas vidas”

O que isso quer dizer? TEMA O DESCONHECIDO, mas principalmente não pense sobre ele. Se pensar, a histeria tende a se transformar em vergonha e senso de ridículo.

“Ah, mas o XBox One É uma câmera filmando e ouvindo a gente o tempo todo”

Vou te contar um segredo, gafanhoto: Seu celular também é. Você passa boa parte do dia fazendo caretas pra câmera frontal dele. Seu smartphone fica do seu lado quando você não está usando, escuta suas conversas íntimas. Quando alguém faz sexo, o celular em geral testemunha, ouvindo tudo da mesa de cabeceira. SmartTVs com webcams para Skype estão “vulneráveis”, e aí?

Seu filho inocentemente brincando com um tablet pode estar sendo vigiado por um hacker pedófilo NESTE MOMENTO. Rápido, esmague-o com uma marreta! (o tablet, não o filho. Talvez o pedófilo, mas se ele estiver perto assim você é meio lento….)

“Ah, mas essas coisas não acontecem”

Nunca, de forma alguma, exceto quando acontece, tipo anteontem, quando um grupo de hackers sírios invadiu as contas da Sky britânica, conseguiu as credenciais de acesso, hackearam e substituiram todas as Apps da empresa no Google Play.

Isso mesmo. Por algum tempo qualquer um que baixasse uma App da Sky no Android baixou uma caixa-preta que poderia fazer qualquer coisa maligna.

Qualquer laptop com câmera é um “risco” em potencial. O Kinect antigo também, afinal sendo histérico, o que impediu um hacker de invadir o seu XBox e acionar a câmera sem você saber?

Pensando bem, como o mundo não está cheio de gravações comprometedoras feitas via celulares hackeados, já que a segurança deles por muito tempo deixa/deixou a desejar?

A resposta é que ninguém se interessa pela sua vida. Você não é interessante. Essa paranóia “vão me hackear” é uma muleta psicológica para o sujeito se sentir importante. Não vão. Se você for burro o bastante para clicar num link de phishing, excelente, mas estatisticamente NINGUÉM quer ver você pulando de cuecas na frente da televisão. Os hackers (ok, todos nós) querem ela:

scarlett21

Nos primórdios da telefonia móvel o consenso histérico era que em dois anos estaríamos vivendo em um estado policial, nossa localização seria usada pela polícia política para nos controlar. Antes disso, com os links de banda larga muita gente diria que toda máquina acabaria invadida, pois ficando 24/7 online, seria apenas questão de tempo. Cookies? Terríveis ferramentas anti-privacidade. Já fui xingado por manter um script no site que cumprimentava visitantes recorrentes.

Juntando isso tudo, fica a Grande Dúvida: Por quê gente que tem tanto medo do futuro insiste em se envolver com tecnologia?

relacionados


Comentários