Meio Bit » Arquivos » Hardware » Departamento de Estado norte-americano manda retirar esquemas da Liberator da internet

Departamento de Estado norte-americano manda retirar esquemas da Liberator da internet

Esforço inútil? Departamento de Defesa dos Estados Unidos exige que os esquemas de fabricação da arma Liberator sejam removidos da internet

10/05/2013 às 10:59

The Liberator

Demorou mas o governo norte-americano, que anda num sururu danado desde que Obama apresentou o projeto de controle de armas e foi derrotado no Senado, se manifestou sobre o lançamento da Liberator, a primeira arma open-source produzida por uma impressora 3D. Em nota, o Departamento de Estado exigiu que a Defense Distributed remova todas os esquemas de fabricação da internet, numa possível violação aos Regulamentos de Exportação de Armas de Fogo (International Traffic in Arms Regulations, ou ITAR).

Aqui cabe uma pergunta: o que exatamente consideram como "violação dos regulamentos de exportação"? O fato de um americano criar os esquemas e disponibilizar para quem quiser em qualquer lugar do mundo, mesmo sendo de graça? Não duvido que seja esse o argumento.

"Até que o Departamento dê à Defense Distributed o parecer final, a mesma deve tratar os dados técnicos como controlados pela ITAR", disse o órgão em nota enviada à startup. Cody Wilson, o responsável pela DD entretanto, não se deixou abater. "Temos que obedecer", disse em entrevista à Forbes, "mas isso pode ser uma meta impossível. Mas retiraremos de nossos servidores".

E isso é mais do que óbvio: em dois dias os blueprints foram baixados mais de 100 mil vezes em todo o mundo. E claro, há inúmeros links-espelho em diversos domínios, inclusive no Pirate Bay e no Me.ga, do nosso velho amigo Kim Dotcom. Remover os esquemas por completo, só desligando a internet.

Mas Wilson prefere que seja assim. Ele quer diálogo, pois não concorda com o atual sistema de regulação. Fazer o que pedem num primeiro momento é importante, e trará legitimidade ao seu trabalho, por mais questionável que algumas pessoas possam considerar.

Fonte: TC.

relacionados


Comentários