Meio Bit » Baú » Miscelâneas » Guarda Costeira japonesa esquece de apagar dados de barco vendido à Coreia do Norte

Guarda Costeira japonesa esquece de apagar dados de barco vendido à Coreia do Norte

Presepada master: Guarda Costeira do Japão esquece de apagar dados de navegação e barco é vendido para Pyongyang.

29/04/2013 às 12:00

Barco da guarda-costeira japonesa semelhante ao da notícia. Imagem ilustrativa

Apesar de a grande maioria da população da Terra estar ciente de que boa parte das ameças de Kim Jong-un são só bravatas, a rigor todo mundo na região está em estado de alerta; Seul e Tóquio estão com todos os olhos voltados para Pyongyang esperando pelo próximo ato do gordinho falastrão. Ainda mais o Japão, que tem uma longa história com a península (a maior parte dela, não amigável). Isso posto, a presepada a seguir é de um amadorismo infinito.

O navio da Guarda Costeira japonesa de 106 toneladas Takachiho, descomissionado em 2011, foi vendido para um membro sênior da Chongryon, a Associação Geral de Residentes Coreanos no Japão. Problem is, essa organização possui entre seus dirigentes membros de alto escalão do governo norte-coreano, e ela inclusive cumpre funções de uma embaixada, já que Japão e Coreia do Norte não possuem relações formais.

Até aí tudo bem, porque vendas de equipamentos estratégicos do tipo são realizadas de forma segura, componentes delicados são removidos ou sofrem uma limpeza geral dos registros.

Isso claro, se apesar de retirarem as armas e o sistema de rádio, não houvessem simplesmente ESQUECIDO de fazer um data-wipe no sistema de navegação. O QG da Guarga Costeira em Kagoshima admitiu que nenhuma checagem foi realizada nesse sentido, e não pode assegurar se os dados foram ou não apagados.

Se nada foi realmente deletado, dados dos últimos 250 dias de serviço do barco que podem conter até 6.000 coordenadas foram tranquilamente despachadas para a Coreia do Norte. E dada a atual tensão entre ela e o Japão, imagino que uma pataquada dessas não passará sem que vários esfíncteres sejam consumidos.

Fonte: The Japan News via The Register.

relacionados


Comentários