Meio Bit » Baú » Segurança » AT&T proíbe usuários de xingarem muito nas senhas (ou quase isso)

AT&T proíbe usuários de xingarem muito nas senhas (ou quase isso)

Parece 1º de abril atrasado, mas não é: em nota, AT&T restringe uso de palavrões em senhas por parte dos usuários.

03/04/2013 às 14:53

Lista de restrições da AT&T. É proibido xingar.

Parece brincadeira, mas é bem real: em uma nota de restrições de senhas divulgada pela AT&T, o sistema não permite que, entre outras cláusulas que realmente facilitariam acesso por serem banais ou fáceis de serem descobertas, o uso de xingamentos ou palavras obscenas.

Não é compreensível partindo do fato de que ninguém além do usuário vai ver a senha; o ato de preparar o banco de dados para barrar todo e qualquer xingamento é completamente desnecessário, e aparentemente nem isso fizeram, a restrição estaria só no papel: o pessoal do Ars testou inúmeras strings com palavrões e o sistema reconheceu normalmente, e barrou xingamentos curtos apenas por serem considerados "senhas fracas". Fica parecendo que a lista de restrições passou pelas mãos de algum PR que sofre do mal do "politicamente correto" e colocou a cláusula lá, só para inibir o usuário.

Em nota, a AT&T divulgou que "mantém uma lista de palavras que não podem ser usadas como senhas por serem comumente usadas, e fáceis de serem adivinhadas; e isso inclui palavrões". Até faria sentido se o sistema não aceitasse "fucker1" ou "fuck3r" como senhas, o que não foi o caso.

Xingamentos e palavrões sempre foram uma constante desde os tempos dos disquetes de 5" 1/4 (eu diria cartão perfurado, mas não é da minha época 🙂). Conheci algumas pessoas que contaram ter usado em determinado momento uma senha semelhante a "fulanoeumfdp", numa vingança invisível contra um chefe tirano. Xingar deveria ser direito de todo mundo até para extravasar o stress, ainda mais se o usuário estiver pagando para usar o serviço.

Se a restrição é só verbal e o sistema obra e se locomove para tudo isso, beleza. Caso contrário só restará o Twitter (ou se a onda do politicamente correto continuar, nem isso).

Fonte: Ars Technica.

Leia mais sobre: , , , , .

relacionados


Comentários