Meio Bit » Baú » Ciência » A Partícula de Ai Meu Deus!

A Partícula de Ai Meu Deus!

Partículas Ai Meu Deus: cientistas aguardam ansiosamente que a estrela dupla Eta Carinae vire uma hipernova!

18/02/2013 às 4:14

Em 1991 a Universidade de Utah estava testando no deserto um detector de Raios Cósmicos, quando algo que não deveria existir jogou todos os indicadores para fundo de escala. O fenômeno passou a ser conhecido como a Oh My God! Particle, uma brincadeira com o Bóson de Higgs, popularmente God's Particle.

A diferença é que a OMGP não deveria existir. Os sensores indicaram que era muito provavelmente um Próton, mas com uma energia de 300 exa-elétrons-volt, 3 × 1020 eV ou 50 J. Isso mesmo, joules.

A energia cinética desse ÚNICO PRÓTON era equivalente a uma bola de baseball viajando a 100 km/h. Se você estivesse no caminho tomaria uma porrada de respeito de UMA partícula subatômica.

A OMGP estava viajando a 0,9999999999999999999999951 c; 1,5 femtômetros por segundo abaixo da velocidade da luz. Os efeitos de aumento de massa e dilatação temporal que ela enfrentava deviam ser incríveis.

Até hoje só foram observadas umas 15 partículas semelhantes, mas nenhuma tão rápida ou energética. a OMGP estava ordens de magnitude acima de tudo que o LHC pode produzir.

Há várias hipóteses para a origem desses raios cósmicos ultra-energéticos. Vão de núcleos galácticos a buracos negros gigantes girando em velocidades espantosas, chegando a hipernovas, uma espécie de supernova com orçamento de filme americano.

Uma candidata a Hipernova é Eta Carinae, uma estrela dupla composta de uma variável azul com 150 massas solares e uma supergigante de 30 massas solares. As estrelas estão pulsando, talvez explodindo e virarão uma hipernova em breve (em termos astronômicos). As explosões preliminares já criaram uma nebulosa, que hoje emite uma luminosidade equivalente a 5 milhões de vezes a do Sol.

EtaCarinae

Quando esse bicho explodir poderemos medir se há realmente um aumento de partículas como a Ai Meu Deus, e aprenderemos mais sobre suas origens. Infelizmente uma explosão iminente em termos astronômicos significa qualquer coisa entre hoje e um milhão de anos.

Fonte: xkcd.

relacionados


Comentários