Meio Bit » Arquivos » Indústria » Entrevista: Anel Um

Entrevista: Anel Um

22/07/2007 às 6:39

logo_01.gif Quantas produtoras de jogos vocês conhecem, no Brasil? E quantas dessas estão no mercado desde 1997?

Num mercado complicadíssimo, onde a pirataria é a lei e o "jeitinho brasileiro" impera, foi uma agradável supresa conhecer a Anel Um. A empresa é especializada em "Play by Mail", ou seja: jogos por email, específicamente ambientados na Terra Média de Tolkien. Contando com mais de 140 usuários, seus dois desenvolvedores preparam para o final do ano uma aventura completamente programada por aqui. Vale ficar de olho.

Nesta entrevista, Lenora Pessôa, a Teca, conta um pouco da história da Anel Um, explica o jogo e nos fala dos planos para o futuro.

Meio Bit: Você poderia nos falar um pouco sobre a Anel Um? Este é o nome do site e da empresa?

Teca: Sim, esse é o nome da empresa e do site. A empresa começou em 1997, e aos poucos fomos expandido o número de jogos e jogadores. Somos uma micro-empresa onde o jogador é mais do que um simples cliente. Eu passei a fazer parte da empresa em 2003. É uma empresa pequena, se for levar em conta as estrangeiras mas com alguma tradição aqui no Brasil.

Meio Bit: Quantas pessoas trabalham com você, hoje?

Teca: Eu ( que faço a moderação ) e mais uma pessoa.

Meio Bit: Só pra esclarecer: são vocês dois. E vocês são os sócios, é isso?

Teca: Isso. Eu e o João Eduardo somos sócios e casados. O conheci jogando pela Anel Um, diga-se de passagem.

Meio Bit: Ah... isso sim é uma manchete!

Meio Bit: Como surgiu a idéia? Afinal, o mercado de jogos é muito complicado no Brasil...

Teca: A idéia surgiu, na verdade, porque nós e os antigos sócios éramos obrigados a jogar em sites estrangeiros e com jogos em inglês. Então veio a idéia de comercializar os jogos em português, pagando em Reais. Foi mais uma maneira de poder oferecer o que a gente gosta a preços acessíveis, do que realmente uma jogada comercial. O importante era levar os jogos a quem gostava, por preços razoáveis. Aliás, essa preocupação com o preço dura até hoje. O importante é ter muitos jogadores satisfeitos e para isso o custo do jogo precisa ser um valor razoável.

Meio Bit: E como foi o processo de localização? Vocês desenvolveram tudo do zero? Ou compraram alguma licença?

Teca: Compramos a licença de dois jogos, e agora estamos desenvolvendo um do zero. Ou seja, estamos expandindo os cenários. Do pessoal da Game Systems compramos a licença dos dois jogos baseados em "O Senhor dos Anéis". Há algum tempo, também havia o "Comando Estelar", mas como era um jogo pouco amigável, optamos por deixá-lo de molho até desenvolver algo melhor. Agora estamos trabalhando com outro jogo de estratégia militar e posso dizer que já está perto de terminar.

Meio Bit: O desenvolvimento é feito por vocês dois ou é externo?

Teca: Estamos tendo ajuda de uma pessoa de fora, e o projeto é conjunto.

Meio Bit: Tecnicamente, você pode dar uma geral sobre os jogos?

Teca: O jogo é por email, ou seja, ele não é web-based (ainda, estamos desenvolvendo esse processo para o final do ano). Roda em um computador e depois o resultado é enviado para os jogadores por email. Daí, cada jogador recebe seu Relatório de Resultados em pdf. Ali tem todas as informações importantes para as nações do jogo, e ele vai ter duas semanas para analisar o seu RR e mandar por email as ordens de volta.

Meio Bit: Quantos jogadores vocês têm?

Teca: No momento são cerca de 200 nações ativas e são quase todos brasileiros. Tenho um jogador italiano, um português e alguns ingleses.

Meio Bit: Cada "nação" é um jogador?

Teca: Não necessariamente. Cada Desafio tem 25 nações, no começo de cada jogo. Ás vezes tem mais de um jogador em cada Desafio. Acho que temos uns 140 "jogadores físicos".

Meio Bit: Eu quero voltar à mecânica do jogo, mais à frente. Mas, agora, queria focar no seu relacionamento com os jogadores. Pelo que vi, o suporte é "full time", certo?

Teca: Certo.

Meio Bit: Tanto por email quanto por telefone?

Teca: Exatamente. E pelo MSN, ICQ e Skype também. Acho importante manter a comunicação aberta.

Meio Bit: Imagino que apenas os iniciantes devam ter muitas dúvidas...

Teca: Na maioria das vezes são novatos, mas vale lembrar que o jogo é mais um jogo de time, portanto os jogadores mais experientes acabam ajudando a sanar as dúvidas do pessoal mais novo.

Meio Bit: Como é cobrado o jogo? Digo, quanto custa?

Teca: É cobrado mensalmente, mas por turno rodado. Se você joga apenas um desafio, o valor é um. Se você joga vários, o valor é diferente. A cobrança é feita em boleto bancário ou cartão de crédito.

Meio Bit: Bom, então eu preciso entender o que é um "desafio"...

Teca: Vamos lá... O cenário é a Terra-média, e em cada "jogo" (ou Desafio) tem 25 nações ativas no começo. o que acontece é que nós temos vários Desafios acontecendo ao mesmo tempo. Tem jogadores que jogam apenas um - e pagam uma média de 19,00 por mês - e tem jogadores que jogam em 6 Desafios diferentes e gastam uma média de 115 reais por mês. Não é necessário gastar muito pra se divertir, para quem joga apenas um jogo é o valor de uma entrada de cinema.

Meio Bit: Fala-se pouco desse tipo de jogo no Brasil... vocês encontraram alguma resistência? Como os jogadores encontraram vocês?

Teca: Sim, e estamos presentes em convenções de jogos e de rpg, mas na verdade a nossa melhor propaganda é o boca-a-boca. Existem alguns jogadores que entram e não se adaptam ao esquema de play-by-mail. Esperam um resultado mais imediato, mais gráfico, mais WOW. Mas o pessoal que gosta de estratégia militar acaba se apaixonando. O jogo é muito bom, com muitos detalhes para pensar e se transforma num desafio à sua inteligencia, é muito gratificante.

Meio Bit: É inevitável essa pergunta: vocês enfrentam muitos problemas com tentativas de se "hackear" o sistema? O famoso "jeitinho brasileiro"?

Teca: Olha até agora eu só soube de uma história dessa, e não aos nossos sistemas, mas sim a tentativa de "hackear" a comunicação dos adversários, e foi antes de eu estar como sócia da empresa. Mas é claro que a gente mantém algumas normas para garantir a segurança dos jogadores. O computador que roda o jogo em si não tem acesso a internet, pois lá é que estão os dados de todos os Desafios em andamento. Usamos um servidor de confiança para hospedar nosso site e servidores de email, e é claro, mantemos uma monitoria em cima dos Desafios para ver se há algum motivo para se desconfiar. Até agora, não achamos nada que desabone nossos jogadores nesse quesito .

Meio Bit: Qual é a sensação de ser um raríssimo caso de sucesso na produção de jogos nacionais?

Teca: A verdade é que eu nunca tinha pensado nisso antes, o que me dá prazer em saber, e muito prazer, na verdade é ver a comunidade de jogadores da Anel Um é uma comunidade de amigos que apoiam a empresa e incentivam outros jogadores. Assim é gostoso trabalhar, sabendo que o pessoal gosta dos nossos jogos e que recomenda aos amigos.

Meio Bit: Esse e' seu trabalho "full time"?

Teca: Sim, é meu trabalho de tempo e dedicação integral.

relacionados


Comentários