Meio Bit » Baú » Fotografia » Atek AT-679 - Mini Review

Atek AT-679 - Mini Review

30/01/2013 às 22:44

Algum tempo atrás eu escrevi um texto aqui no Meio Bit sobre como montar o seu Estúdio Tabajara com pouco investimento. A coisa basicamente girava em torno de trabalhar com luz contínua e todas as vantagens e desvantagens que isso acarreta. Porém, depois de comprar o primeiro conjunto de flash acabei abandonando a luz contínua em favor da comodidade, pois é muito mais fácil trabalhar com uma fonte de luz que não gera calor suficiente para derreter o seu cérebro. Mas, o tempo passou e bateu novamente a vontade de trabalhar com a velha luz halógena amarela.

Mas, dessa vez decidi partir para algo mais profissional e investir em um set de iluminação feito especificamente para isso. Depois de muito pesquisar, e de querer gastar pouco, me decidi pelo conjunto Atek AT-679. A escolha da marca foi fácil, pois toda minha iluminação de estúdio é da Atek e me entendo muito bem com seus produtos e acessórios, além da qualidade ser aceitável e o preço um pouco mais camarada. O conjunto é composto por dois iluminadores AT-800A com 1000W cada um, duas sombrinhas difusoras, dois tripés de alumínio e o bag de transporte BGSC 0162. O kit completo foi adquirido na página oficial da Atek pela quantia de R$ 684,00.

atek_halógena

Hoje foi o dia que consegui testar o brinquedo e chamei minha amiga Nay Amaral para ser a vítima. Decidi trabalhar apenas com os dois iluminadores e ver as possibilidades. A montagem é muito fácil e intuitiva. A geringonça ligada gera uma quantidade absurda de calor até dois metros da lâmpada, mais longe que isso fica aceitável. Mas, é impossível trabalhar com os dois iluminadores em um local pequeno sem ar condicionado. Também deve ser observado se a corrente elétrica do local vai suportar os 2000W dos dois iluminadores.

A luz gerada não chega a ser muito dura, mas mesmo assim é necessário usar a sombrinha difusora para gerar uma luz mais suave e bonita. Porém, a sombrinha quebra quase dois terços de ponto de luz dos iluminadores. Mesmo sendo uma fonte de luz muito forte, para a fotografia ainda é pouco. A fotometria com velocidade de obturador em 1/100 e o ISO 400 mostrou a necessidade de um diafragma em f/2,5. Não é qualquer um que possui uma lente clara desse porte, por isso indico o uso de uma 50mm f/1,8 que vai ser a alternativa mais barata para conseguir fotografar nessas condições. Em minha opinião o ISO em 400 é o máximo que posso abusar sem gerar uma quantidade absurda de ruído e o obturador em 1/100 me garante fotos com pouco risco de tremer. Claro que cada um tem seu próprio limite quanto as configurações e câmeras mais avançadas podem trabalhar em ISO mais elevado sem uma grande quantidade de ruído.

Abaixo algumas amostras.

ensaio_nay_amaral-7367 ensaio_nay_amaral-7362 ensaio_nay_amaral-7379

A opção pelo fundo preto é uma coisa natural para mim, pois gosto do contraste entre a luz e o negro. A câmera utilizada foi a Canon EOS 50D com a lente EF 85mm f/1.8 que garante nitidez e uma grande abertura de diafragma. O problema em fazer retratos com uma grande abertura é a perda de profundidade de campo, o que pode ser um ponto negativo e também um atrativo nesse tipo de foto. Outro ponto a ser levado em conta com esse tipo de iluminação é o balanço de branco. Como fotografo em RAW eu só me preocupo com isso na pós produção. É possível deixar as fotos com uma tonalidade mais quente, realçando o efeito da luz ou simplesmente equilibrar para algo mais frio, para corrigir a coloração das lâmpadas halógenas.

ensaio_nay_amaral-7382 ensaio_nay_amaral-7438 ensaio_nay_amaral-7450

O posicionamento das lâmpadas foi uma a frente e a esquerda da modelo e uma colocada a direita e atrás para fornecer um recorte no corpo e cabelo. Mesmo com todos os pontos negativos o resultado foi interessante. Também destaco a possibilidade de trabalhar com muitas áreas com sombra e áreas iluminadas quase estouradas. Sempre achei a sombra tão importante quanto a luz na fotografia.

ensaio_nay_amaral-7526

Em resumo é uma boa opção se você quer variar um pouco os seus esquemas de luz, mas é necessário os cuidados quanto a fiação elétrica e a questão do aquecimento. A quantidade de energia gasta também é um fator importante a ser levado em consideração. Porém, o fator negativo que mais me incomoda é a questão de utilizar uma grande abertura de diafragma que mata a profundidade de campo e ao mesmo tempo diminui drasticamente a nitidez que pode ser alcançada com a lente. Juntando a isso a velocidade ISO temos uma imagem um pouco lavada e sem nitidez, isso se você aplicar um zoom absurdo nos arquivos. Claro que se converter para preto e branco ficará perfeito. Porém, isso está ligado a linguagem fotográfica de cada um. Mas, ainda assim achei muito legal e provavelmente vai fazer parte de meu arsenal fotográfico.

Leia mais sobre: .

relacionados


Comentários