Meio Bit » Baú » Games » Sentindo na pele

Sentindo na pele

02/07/2007 às 17:40

Quem acompanha o Meio Bit já deve ter reparado que sou um apaixonado por videogames. Pra falar a verdade esta paixão já vem de longe. Me lembro de passar tardes inteiras com meu pai sentados em frente a televisão jogando partidas emocionantes de River Raid para ver quem fazia mais pontos.

Cresci trazendo comigo esta paixão e assim como muitos, vez ou outra acabo ouvindo uma piadinha do tipo: Você não acha que está muito velho para jogar videogame?

Acho engraçado o fato de as pessoas continuarem considerando os gamemaníacos como nerds, desocupados ou irresponsáveis. O preconceito para aqueles que admiram jogos eletrônicos é algo que parece estar inserido no subconsiente de alguns, que invariavelmente não possuem nenhum conhecimento de tecnologia. As mesmas pessoas que insistem em afirmar que fulano cometeu um ato violento graças aos "Dooms" da vida.

Não consigo entender por exemplo por que o ato de jogar videogames incomoda tanto algumas pessoas. A grosso modo, o sujeito senta em frente a sua televisão, liga seu console, joga seu game e não incomoda ninguém. Mas mesmo assim, passa o "intelectual" por perto e comenta: Você não acha que está muito velho para jogar videogame? Ou coisa do gênero.

Isso sem falar que ou os jogos eletrônicos são coisa de criança ou coisa de maníacos. Quem nasceu antes de 1990 e cresceu jogando videogames naturalmente hoje está procurando jogos "mais adultos" e isso não quer dizer que o sujeito seja um serial killer em potencial. Da mesma forma que hoje me interesso mais por quadrinhos do estilo de Preacher ao invés da Turma da Mônica, é natural que eu prefira a série Silent Hill a um jogo do Bob Esponja.

Outro fato interessante é o preconceito em relação as "garotas" que gostam de games. Basta vermos as revistas especializadas, feiras e até os próprios jogos. Raramente vemos um espaço dedicado às mulheres e quando me coloco no lugar delas fico ainda mais incomodado, pois o preconceito é duplo. Basta lembrarmos que raras vezes as heroínas dos jogos não são usadas apenas como símbolos sexuais.

Tá certo que a situação já melhorou muito, mas ainda fico imaginando o dia em que os videogames terão o mesmo tratamento que o cinema tem. O dia em que jogar videogame será considerado por todos como lazer da mesma forma que assistir a um filme é.

Eu acredito que o preconceito, seja lá da forma que for, é fruto da ignorância das pessoas e na maioria das vezes estas pessoas não são ignorantes por que querem e sim por situações que ocorreram em suas vidas, mas daí aceitar esse tipo de atitude já é outra história.

É uma pena, mas acho que enquanto o acesso à tecnologia continuar sendo limitado a apenas uma pequena parte da população brasileira, infelizmente nós gamers, continuaremos sendo considerados nerds, desocupados ou irresponsáveis.

relacionados


Comentários