Meio Bit » Baú » Games » Para impedir filho de jogar, pai contrata assassinos virtuais

Para impedir filho de jogar, pai contrata assassinos virtuais

10/01/2013 às 8:26

dori_wow_09.01.13

Nós já vimos algumas histórias um tanto bizarras envolvendo MMOs e as pessoas que se tornam viciadas nesse tipo de jogo, como o caso de um sujeito que resolveu processar a desenvolvedora, mas a saída encontrada por um chinês para tirar seu filho “dessa vida” é algo no mínimo inusitado.

De acordo com o Sr. Feng, o moleque, hoje com 23 anos, começou a se dedicar ao World of Warcraft quando ainda estava na escola secundária, mas como ele continuava tirando boas notas, a família não viu muito problema no hobby. Acontece que como após o término dos estudos o rapaz não conseguiu arrumar um emprego, o patriarca perdeu a paciência e decidiu tomar uma providência.

Bom, estamos falando da China e como por lá nada é muito simples, uma surra ajuda profissional parece não ter sido cogitada e Feng pai teve a ideia de contratar alguns assassinos virtuais para perseguirem o personagem do seu filho e como todos eles controlavam avatares mais fortes e com níveis mais altos que o do “Fenguinho”, a intenção era tornar sua vida virtual um inferno e com sorte, ele enjoaria da brincadeira.

Eliminando uma conspiração universal, o desempregado quis saber porque tantas pessoas queriam sua cabeça e após conversar com um dos seus algozes, teve a confirmação de quem havia encomendado a missão e com isso chegava a hora de um confronto entre pai e filho, que felizmente foi resolvido na base da conversa, pois o pai se sentiu comovido com a declaração de seu descendente de que no momento em que quisesse parar ele o faria e que ainda não trabalhava porque não tinha encontrado um emprego que o agradasse.

Por tanto fica a dica: Se você está largando sua vida social (e profissional) por causa de um MMO, tome cuidado pois um bando de mercenários podem estar no seu encalço e tomara que seja apenas no mundo virtual.

[via Rock, Paper, Shotgun]

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários