Meio Bit » Arquivos » Demais assuntos » Como quase morremos dia 11 de dezembro

Como quase morremos dia 11 de dezembro

O fim do mundo poderia ter sido 11 de dezembro? Um asteróide passou bastante perto do planeta e só foi descoberto 2 dias antes.

16/12/2012 às 2:09

No dia 9 um grupo de astrônomos descobriu um asteroide. Não seria nada especial, se ele não estivesse tão próximo da Terra. Próximo o bastante para dia 11 raspar a vizinhança, passando a menos da metade da distância da Lua.

Tivemos dois dias de antecedência, e se o 2012 XE54 tivesse sofrido uma perturbação de pentelhonésimos de grau em sua órbita, poderia ter nos atingido, e não havia nada que pudesse ser feito.

Com 30 metros de diâmetro, um impacto direto em terra firme liberaria energia equivalente a 2 megatons, ou 13 Hiroshimas. Veja o efeito da destruição no Rio de Janeiro:

cabum

Em um mundo ideal teríamos radares e telescópios automatizados pesquisando continuamente os céus identificando catalogando e classificando asteroides, cometas e qualquer outro objeto maior do que uma jaca, mas o cosmos é grande demais, os objetos pequenos acabam escapando e convenhamos, identificar algo menor que um avião de ponte-aérea a 300 mil km de distância já é um feito e tanto.

A Terra é atingida anualmente por algo entre 37 e 78 mil toneladas de detritos espaciais, por sorte quase tudo é na forma de poeira, meteoros maiores são raros. Nem sempre foi assim. Alguns dizem que a própria vida do planeta só existe por estarmos sob proteção divina. O Deus em questão, claro, é Júpiter, que com sua massa imensa é “o” aspirador do Sistema Solar, chupando quase tudo que vem da Nuvem de Oort.

Isso foi dramaticamente comprovado em 1994, quando o cometa Shoemaker-Levi 9 caiu no poço gravitacional de Júpiter e se espatifou em sua atmosfera, apenas arranhando as nuvens. Se tivesse atingido a terra estaríamos vivendo o equivalente a um apocalipse zumbi:

Pequenos sustos como o 2012 XE54 servem para lembrar que o Universo é extremamente hostil, cheio de coisas que adorariam nos matar. E não, não são sustos raros. No começo do ano moradores da Califórnia e de Nevada se assustaram com uma série de explosões sônicas, provocadas por isto:

meteorite

Um meteoro do tamanho de um carro, entrando na atmosfera a 44 mil km/h. Por sorte ele se fragmentou antes de cair no deserto. Cair no deserto aliás foi a maior sorte, pois a energia liberada entre fragmentação, explosão sônica e impacto foi de 5 quilotons, 1/3 de Hiroshima.

Não exatamente uma catástrofe global, mas suficiente para destruir um bairro e acabar com seu dia. 5 quilotons parecem pouco mas a maior explosão não-nuclear da História teve entre 6 e 7 quilotons. Qual a frequência com que um bicho desses atinge a Terra?

Em média um por ano. Durma com um barulho desses.

relacionados


Comentários