Meio Bit » Baú » Software » Autodesk inventor garantindo a segurança do R2

Autodesk inventor garantindo a segurança do R2

13/12/2012 às 23:14

O Autodesk Inventor é um daqueles softwares que me fazem sentir afinidade pelos primatas de 2001 olhando o Monolito. Eu tenho uma vaga noção do que ele faz, mas a tecnologia envolvida vai muito além da compreensão desta simples Unidade de Carbono. (ok, misturei os filmes)

Sei que é um CAD para prototipagem digital, e um monte de projetos legais como drones domésticos, robôs e próteses são criados nele, Só que não é um programa de desenho, o Inventor tem conceito de materiais, os objetos têm suas propriedades inferidas à partir do que são feitos.

Essas propriedades são utilizadas nos módulos de simulação, uma engrenagem de madeira não suportará tanta carga quanto uma de aço, por exemplo.

Um dos módulos do Inventor é o Projeto Falcon, um simulador em quase tempo real de… túnel de vento. Você testa na hora seu modelo e vê fluxo de ar, pressão, altera velocidade, direção e tamanho do ar, etc, etc, e muito etc. Veja este demo rápido:

Com um brinquedo desses, é claro que o pessoal começa a ter idéias, e o criativo da hora foi Loren Welch, Technical Account Manager da Autodesk e Blogueiro. Necessariamente nessa ordem. Ele teve a dúvida: Será que o R2D2 está seguro em seu encaixe no T-65 X-Wing de Luke? Será que o design do caça criaria algum vórtice letal?

De posse dos softwares e do tempo (afinal, tecnicamente ele estava trabalhando) Loren buscou um modelo da nave, pesquisou suas especificações de performance e importou no Inventor.

xwing1

A velocidade máxima em vôo atmosférico de um X-Wing é de meros 1050Km/h, mas como o Falcon permitia, ele testou até 2060Km/h, e para surpresa (ou não), o design funcionou perfeitamente. A cabine criava uma zona de baixa pressão que protegia o droid astromech. Veja o vídeo da simulação:


O cara fez essa brincadeira em meia-hora. A maior parte deve ter sido gasta procurando o modelo do X-Wing e .importando pro formato correto. Agora imagine esse software na mão do pessoal da Fórmula 1, ou mesmo um projetista de cataventos para geração de energia eólica.

Estamos vivendo um futuro onde o sujeito cria um projeto inteiro virtual, envia os arquivos pra uma impressora 3D, uma máquina CNC ou um galpão de chineses e sai com um equipamento pronto, sem protótipo físico. O poder que esse tipo de ferramenta disponibiliza é imenso. lembre-se, dá para contar nos dedos da mão do Lula a quantidade de túneis de vento supersônicos capazes de receber um modelo de um X-Wing de 10 metros.

relacionados


Comentários