Meio Bit » Baú » Games » Para Wargaming, F2P é como o velho oeste

Para Wargaming, F2P é como o velho oeste

21/08/2012 às 13:05

dori_wot_20.08.12

Estando perto de alcançar a impressionante marca de 35 milhões de jogadores com o MMO World of Tanks, a Wargaming poderia ser a melhor empresa para explicar como obter sucesso com jogos Free-to-Play, mas durante uma entrevista o CEO Victor Kislyi admitiu que mesmo eles não sabem muito bem o que esperar desse modelo de negócios.

O Free-to-Play ainda é o velho oeste. Ninguém sabe e ninguém pode prever para onde ele evoluirá, para onde se estenderá. Consigo enxergar uma experiência single player sendo feita num servidor, como Gaikai ou Online. Na Wargaming nós não conhecemos o Free-to-Play, nós apenas conquistamos o nicho player versus player.

Kislyi então declarou que os novos competidores são bem vindos, mas que é essencial para a produtora oferecer um serviço de qualidade mesmo para as pessoas que não gastam dinheiro no jogo, pois se elas tiverem uma experiência ruim, espalharão más notícias por aí.

Mesmo com tantas empresas – inclusive algumas bem grandes - seguindo este caminho, tenho uma enorme curiosidade de saber se o F2P é algo que realmente veio para ficar ou se não passa de uma moda e como muitos jogos de qualidade bem duvidosa estão se escorando na tentadora oferta da gratuidade para se destacar, não tenho como deixar de mencionar um comentário feito no VG247, dizendo que os jogos Free-to-Play são mesmo como o velho oeste, um lugar sujo e onde não quero estar. Concorda?

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários