Meio Bit » Baú » Games » Os MMOs ainda podem trazer inovação?

Os MMOs ainda podem trazer inovação?

29/06/2012 às 9:30

dori_eve_26.06.12

No final do mês passado o pessoal do PC Gamer publicou uma entrevista com Matt Firor, diretor do Elder Scrolls Online, onde este afirmou que tudo o que podia ser tentando num MMO já teria sido feito e que por isso o gênero não deverá trazer muitas inovações. A declaração a princípio não havia causado muita indignação nas outras empresas, mas então o site perguntou se Kristoffer Touborg e Jon Lander, game designer e produtor na CCP Games, concordavam com a opinião e a resposta foi a seguinte:

Não e se eu dissesse isso, Jon poderia me despedir,” declarou Touborg. “Os melhores MMOs são inteiramente diferentes. Se você quiser saber quais os cinco melhores MMOs que joguei, eles são completamente diferentes. Outras pessoas tentaram replicá-los depois, mas o fato é que esses MMOs únicos são aqueles que continuam sobrevivendo por um bom tempo, são os interessantes. Esse gênero ainda tem muito a oferecer.

Já Lander cita a interação entre o Dust 514 e o EVE Online, para defender a opinião de seu companheiro, comentando sobre o fato deles permitirem que os jogadores se enfrentem em combates espaciais ou um contra outro em um jogo de tiro em primeira pessoa e aproveitou para afirmar que se isto não pode ser considerado uma inovação, então ele não sabe o que mais poderia. Por fim, o executivo tratou de ser taxativo, dizendo que se acreditasse que não há mais como trazer coisas novas aos MMOs, então ele provavelmente deixaria a indústria.

Apesar de ver muitas pessoas reclamando que os jogos massivos online são muito parecidos um com o outro, eu também não consigo aceitar que esse (ou qualquer outro) estilo já tenha mostrado tudo o que era possível, com o comentário de Firor tendo parecido apenas como algo dito por alguém com preguiça ou sem muita criatividade. E sabe o que é mais engraçado nisso tudo, lembrar que o resto da equipe do TESO garantiu que o game será diferente do que temos no mercado.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários