Meio Bit » Arquivos » Indústria » IBM repete 2001 e declara ter medo da Siri

IBM repete 2001 e declara ter medo da Siri

23/05/2012 às 11:32

ibm2001

Nas primeiras versões do roteiro do clássico de Stanley Kubrick e Arthur Clarke, 2001 – Uma Odisséia no Espaço o computador inteligente HAL9000 se chamava Athena e era uma criação da IBM.

Fazia sentido. Na época –1968- não havia Apple, Microsoft, Sun. A IBM era “A” referência em computadores. Não era sequer merchandising, a associação de HAL com a empresa era algo natural.

Natural e desejado, afinal o computador que até hoje, mais de 40 anos depois continua sendo sinônimo de inteligência artificial, o computador que definiu como todos os outros iriam se comportar, o computador que é a meta de todo pesquisador de inteligência artificial. Ser associado ao HAL9000 é algo que todo fabricante de computadores gostaria, certo?

Errado. Os GÊNIOS de marketing da IBM entenderam que o HAL era o vilão de 2001 e não acharam bom associar a IBM com um computador maléfico. Todas as referências à empresa foram removidas (exceto em uma cena, onde a logo aparece no painel do ônibus espacial Orion) e o computador mudou de nome.

Arthur Clarke jurou até o dia de sua morte que HAL vem de Heuristic ALgorithm, e não por ser “um passo adiante da IBM”. Nós, fãs, fingimos que acreditamos.

Agora a IBM demonstra que sua fobia de sistemas inteligentes continua firme e forte. A prórpia CIO da empresa, Jeanette Horan, confirmou que Siri está banida em todas as redes internas.

A justificativa é que as informações pesquisadas são enviadas para a Apple, que não diz quanto tempo elas permanecem em seus servidores, e os funcionários da IBM poderiam pesquisar termos e frases sigilosos e/ou estratégicos, aos quais a Apple teria acesso.

Isso mesmo. Acham que a Apple vai monitorar as consultas Siri vindas das IBM, e deduzir projetos secretos a partir do que os funcionários pesquisam.

Curioso é que não falaram em banir o Google, Gmail, Hotmail, incredimail, Wolfram Alpha, Bing e trocentos milhares de serviços que recebem informações pesquisadas e as guardam (ou não) por tempo indeterminado.

Mesmo descontando a acusação séria e leviana de que a Apple monitoraria a empresa, banir o acesso à Siri só serve para demonstrar uma falta de disciplina e treinamento entre os funcionários da IBM, que aparentemente dariam com a língua nos dentes.

Fonte: Wired

relacionados


Comentários