Saudável e rodando em mais de 200 milhões de computadores aos 10 anos e 8 meses de “vida”, há tempos o Windows XP ganhou uma data certa para morrer. E a exatos dois anos do final do período de suporte estendido do decano sistema operacional, a Microsoft faz um lembrete implorando para que usuários deixem o passado de lado e finalmente atualizem suas máquinas.

Em um post no blog oficial, a Microsoft disse que “o Windows XP foi um grande software em seu tempo, mas a tecnologia mudou muito desde então”, e ao mesmo tempo a empresa recomenda logo um upgrade imediato para o Windows 7.

Um levantamento feito pela Gartner em março mostra que 79% dos desktops e 45% dos notebooks usados em empresas rodam o XP, de acordo com um levantamento feito durante um simpósio empresarial. Ainda que a empresa de pesquisa reforce que esta não foi uma amostragem coletada com rigor científico, mostra que o antigo sistema operacional ainda tem forte presença dentro das companhias. Outro software que deverá se despedir daqui dois anos é o Office 2003.

Lançado em agosto de 2001, o Windows XP realmente faz parte de uma geração passada de computadores. Apenas para comparar, seus requisitos mínimos eram processador com 233 MHz, 64 MB de RAM e 1,5 GB de armazenamento, configuração muito menor os dos atuais smartphones disponíveis nas lojas.

Os dados mais recentes da StatCounter mostram que 33.49% dos computadores de todo o mundo ainda rodam o velho (e bom?) XP, contra 46,48% do Windows 7. No Brasil, o XP tem presença de 36.8%, contra 56% do Windows 7.