No meio de mais de (estimados) 2 bilhões de pessoas conectadas à internet atualmente, você imagina que o tráfego gerado por elas com seus computadores, celulares ou tablets seja relativamente grande. Mas um estudo liberado essa semana por uma empresa chamada Incapsula estima que ao menos 51% do tráfego na internet vem de máquinas ou rotinas automatizadas e não de seres de carne e osso.

Segundo dados angariados pela empresa, 49% do tráfego gerado foi de seres humanos. Os outros 51% se dividem em: 20% de robôs de busca, como o Google, Yahoo e Bing indexando as páginas, 19% de tráfego de programas espiões, como sistemas para medir efetividade de SEO ou empresas coletando informações de empresas concorrentes, 5% de scrapers, que coletam informações de sites automaticamente, 5% de programas de ataques usado por hackers e 2% de comentários spam.

Para chegar a essa conclusão, a empresa angariou dados anônimos dos sites de mil dos seus clientes que tinham, pelo menos, entre 50 mil a 100 mil visitantes por mês, o que é uma amostragem considerável. E a Incapsula vende um serviço que analisa e bloqueia tráfego malicioso dos seus clientes, então eles sabem como rastrear bem o tipo de tráfego não-humano. Veja aqui detalhes do estudo.

Ainda assim, metade de tráfego na web ser gerado por robôs não é algo que me assusta tanto. Confesso que ainda acho que é pouco. E a você?

Com informações: ZDNet. Imagem sob licença CC do usuário Arthur40A no Flickr.