Rádio, mais vivo do que nunca

Rádio, mais vivo do que nunca

Ainda que meio esquecido nos últimos tempos, pesquisa da Nielsen mostra que o velho rádio ainda bate um bolão e, pelo menos nos EUA, atinge mais gente que a web. Os dados mostram que enquanto a televisão chega a 95% dos adultos, o rádio atinge 77% e a internet, 64%, contra os 35% e 27% de penetração dos velhos jornais e revistas, respectivamente, que andam caidões de uns anos pra cá.

“Existem vários críticos que deixam o rádio de lado, mas essa análise de consumo de mídia em tempo real mostra que ele continua a ser um meio muito poderoso”, afirma o dr. Michael Link, vice-presidente de pesquisa da Nielsen. Curiosamente, a empresa afirma que o grande estímulo à velha mídia são exatamente os iPods e outros modelos de MP3 players: “o consumo de rádio alcançou seus maiores índices (82%) entre o público que costuma ouvir músicas em outros dispositivos móveis, que tem idade entre 18 e 34 anos”, apontam os dados.

Mas seria essa uma ressurreição da velha mídia e um resgate dos tempos de ouro? Antes de pegar os sapatos de vinil e preparar a brilhantina, bom lembrar que não é raro que o rádio seja ouvido no carro e em ambiente de trabalho de maneira passiva, enquanto a internet ainda pede uma maior atenção de seu usuário, o que, claro, não deixam seus números menos impressionantes.

Para ver todo o estudo, clique aqui (PDF).

E você, ainda ouve rádio?