Início / Arquivos / Internet /

Microsoft e Yahoo combinados detêm 30% das buscas nos EUA

Bing ainda perde feio no mercado brasileiro — só 1,3%.

Thássius Veloso

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

A firma de métricas comScore apresenta nessa semana os números para sites de busca no mercado estadunidense. De modo geral, temos um cenário estabilizado no qual o Google permanece reinando absoluto, embora a concorrência de duas importantes companhias se faça presente. Sim, o Bing da Microsoft e o Yahoo representam 30% das buscas feitas na terra do tio Sam.

Os dados para dezembro de 2011 mostram o Google com 65,9% das buscas, crescimento de 0,5 ponto percentual em comparação com o mês anterior. As propriedades da Microsoft na internet respondem por 15,1% (alta insignificante de 0,1 p.p.) e as propriedades do Yahoo respondem por 14,5% das buscas (queda de 0,6 p.p.). Somando dá 29,6% para o Microhoo.

Ainda temos a rede do Ask.com com 2,9% (não houve alteração) e a AOL com 1,6% (também sem alteração frente a novembro).

comScore em dezembro de 2011

Tais números fazem parte do índice “Explicit Core Search Report“, um dos vários que a comScore oferece. A empresa utiliza amostragem e desconsidera buscas feitas sem que o usuário tivesse a intenção de interagir com os resultados de busca.

A pouca flutuação em dezembro, comparado com o mês anterior, talvez sirva como prenúncio de como o mercado de buscas se comportará daqui para frente. O Google em primeiro lugar, mas com a combinação de Microsoft e Yahoo numa justa segunda posição com um terço de todas as buscas. Teria o mercado se estabilizado?

Cá no Brasil ainda não temos dados da comScore para busca em dezembro. Em novembro o Google detinha 90,6%, configurando uma verdadeira hegemonia, enquanto os sites do MercadoLivre aparece com 2% e a Microsoft com 1,3%. E a tendência é que permaneça assim até que a Microsoft ofereça um Bing mais completo, com diversos recursos de inteligência artificial, como faz lá nos Estados Unidos.

Nessa semana os mesmos Estados Unidos estão numa polêmica — a meu ver desnecessária — sobre a integração da busca do Google com páginas e pessoas presentes na rede social Google+ (o Tecnoblog está lá, não custa avisar). Vi autor de site de tecnologia inclusive sugerindo que os usuários adotem o Bing como buscador padrão do navegador para não apoiarem as práticas anticompetitivas do Google. Será que a medida surte efeito no market share da Microsoft?