Início / Arquivos / Gadgets /

Futuro MacBook Pro teria resolução de 2.880×1.800 pixels

Rumor fala em adoção de padrão de altíssima resolução em notebooks da Apple.

Thássius Veloso

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

MacBook Pro da geração atual

E começamos novamente a rodada de rumores sobre os futuros produtos da Apple. Ainda não vi ninguém da mídia especializada especulando fortemente sobre o iPhone 5. Os MacBooks Pro, por outro lado, correm o sério risco de ganharem um display com resolução absolutamente fabulosa — no sentido de ter origem em uma fábula, é bom esclarecer. De acordo com o DigiTimes, a próxima geração da família de notebooks contará com resolução de 2.880×1.800 pixels.

Apenas para contextualizar o quão densa seria a resolução do MacBook Pro (se depender do site supracitado): hoje em dia o Full HD utiliza 1.920×1.080 pixels.

Ainda de acordo com o DigiTimes, a nova família de MacBook Pro deve aparecer nas lojas “no segundo trimestre de 2012”. Até lá, diz o site, a Apple terá anunciado novas especificações para paineis (LCD/LED) requisitadas à indústria de componentes eletrônicos. “A resolução ultra-alta dos novos MacBooks Pro vai futuramente diferenciar os produtos da Apple dos de outras marcas, fontes comentaram.”

Numa rápida consulta à mãe dos burros, encontrei um verbete na Wikipedia com os padrões mais atuais para resoluções de tela. O maior de todos, apelidado de QSXGA, possui largura de 2.560 pixels por altura de 2.480 pixels. Apenas na altura ele é maior do que a super-resolução que a Apple pretende adotar no futuro. Ao que me parece, estamos falando de um padrão ainda não determinado na indústria de vídeo e de imagem. Tipo de coisa que a Apple poderia muito bem inventar por conta própria.

A geração mais atual de MacBook Pro conta com resolução máxima de 1.920×1.200 pixels no modelo com 17 polegadas. Fico imaginando qual GPU daria conta dos 2.880×1.800 pixels dos supostos notebooks em fase de projeto.

O jornal DigiTimes baseia-se na China. Ele se especializou em publicar informações apuradas em meio às montadoras asiáticas de produtos que, sob selo “Made in China” e similares, invadem o Ocidente de tempos em tempos.

Atualizado às 14h06.