Lembra da banda larga popular que o governo do estado de São Paulo anunciou há cerca de duas semanas e que tornaria as operadoras isentas dos 25% de ICMS que elas já pagam? Pois bem, é essa isenção que a Telefônica corre o risco de perder.

O decreto que regulamenta o programa deixa claro que nenhuma operadora poderá incluir no contrato qualquer cláusula que preveja “exigência de contratação de outros serviços prestados pela empresa de comunicação ou de terceiro por ela indicado”. Caso a Telefônica obrigue seus clientes a pagar, além dos R$29,80 do serviço, a assinatura telefônica para ter acesso à banda larga popular (totalizando um custo mensal de R$ 54,70), a empresa perderá a isenção do ICMS, como foi confirmado pela secretaria e pela assessoria do governo de São Paulo.

Ao ser avisada da possibilidade, a Telefônica divulgou uma nota informando que “tomou a iniciativa de viabilizar uma oferta a todos os seus assinantes que, no entendimento da empresa, atende às características estabelecidas pelo decreto”. Eles também disseram que “tem a intenção de oferecer um serviço atrativo ao 1,3 milhão de clientes que hoje acessam a internet por meio de acesso discado, possibilitando maior velocidade de navegação e linha telefônica liberada”.

Por enquanto a Telefônica é a única empresa que já oferece o serviço de banda larga popular. A NET deverá começar a oferecer seu plano em novembro. [Folha Online]

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Luciano Ramos de Araujo
Eu já tenho uma linha telefônica na minha empresa, aqui no centro de São Paulo, na rua do Tesouro. Solicitei junto a Telefônica, a instalação de um Speed. Fui informado pelo atendente, que só seria possível a aquisição do speed, se eu levasse junto uma segunda linha telefônica. Como pode, um absurdo desse. As autoridades brasileiras sabem que isso ocorre diariamente no centro da maior cidade brasileira e nada fazem... Fica aqui o meu desabafo. Luciano Ramos de Araújo
Tiago César Oliveira
O que mais se vê hoje em dia é crime de venda casada. Vá tentar pegar um financiamento de construção na Caixa, por exemplo...
Fabio Peixoto
Bando de felas da Tele-afônica. Mais uma vez distorcendo a realidade. Uma coisa é OFERECER um produto ou serviço adicional, outra é IMPOR. Bando de felas da Tele-afônica. Sem contar que venda casada é CRIME contra a ordem econômica e contra as relações de consumo, pelo Código de Defesa do Consumidor. A propósito, eu já escrevi "bando de felas da Tele-afônica"?