Os leitores do TB já devem ter percebido que ultimamente o nosso lindo e maravilhoso planeta tem recebido na sua superfície uma quantidade maior de lixo espacial do que está acostumada. Satélites como o UARS e o ROSAT lançados em décadas passadas perdem força e vão caindo na Terra, com um pouco de sorte sem acertar ninguém. E para diminuir a quantidade deles, cientistas querem atirar nos satélites com lasers para forçá-los a cair mais rápido. Soa perigoso, mas não é tanto assim.

Esse laser, refletido na Lua, é inofensivo.

O grupo, composto basicamente de 13 cientistas do setor privado e do governo americano, publicou um artigo na semana passada intitulado “Removendo detritos orbitais com lasers” que propõe o uso de lasers para a limpeza da órbita espacial da Terra. O motivo para isso é bem nobre: como existem dezenas de satélites desativados, foguetes de ônibus espaciais usados e outros itens perigosos rondando a Terra, seria mais fácil tirá-las de lá de uma maneira controlada ao invés de esperar que eles caiam e corram o risco de atingir alguém.

A maneira de fazer isso também é simples, também proposto pelo grupo no artigo. Eles querem usar pulsos de laser para diminuir a velocidade desse lixo, caindo para a Terra de maneira mais controlada e precisa. Mas eles encontram um problema: um laser do tamanho proposto poderia também ser usado como arma, o que poderia causar problemas políticos dos EUA com os demais países. A solução deles para esse problema seria uma cooperação internacional, mas nem sempre ela funciona como deveria.

Enquanto a política é debatida, ficamos aqui a mercê do lixo espacial caindo vez ou outra. O ROSAT, falando nisso, caiu na Terra ontem, felizmente sem atingir uma área populada.

Com informações: BoingBoing. Imagem sob licença CC do usuário woodleywonderworks no Flickr.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Pedro Henrique
eu tenho um laser desse kkkkkkkk eu sou foda (Y)
Shyde
aqui: "com um pouco de sorte sem acertar ninguém" o correto seria: "com um pouco de sorte sem acertar alguém" quer dizer, dependendo do sentido que você queria dar... :D
@brunogdb
Ainda temos uma esperança de defender a humanidade.
Turdin
Nunca foi empecilho? Não é o que a gente vê por ai...
@_mangekyou
Estrela da morte Fellings!
Fernando Mossmann
Só ficarei feliz quando conseguirem fazer um Lightsaber! :D
@AntonioVeras
Um novo nível para armas de destruição em massa.
@AntonioVeras
É só não espalhar na mídia. como foi feito em Gundam 00 para destruir alguns países árabes.
@AntonioVeras
Desde que a Skynet também não o controle. Difícil.
@marcmigliorini
tudo que sobe, tem que descer...
@Ronyan_
É, e vamos a mais um daqueles: "criamos para proteger a terra, mas até que é pensável usá-lo para "intimidar" outras nações".
Vinicius Kinas
Lembra muito o raio feito em 007 - Die Another Day, só que ao invés de um raio no espaço para destruir coisas na terra, é um raio na terra pra destruir coisas no espaço. :D
Rodrigo
Só para corrigir um pouco o artigo, foguetes de ônibus espaciais usados não ficam em órbita. Eles levavam as naves até 45.000 metros de altura, e caiam de paraquedas. Depois disso, elas continuavam com os próprios propulsores. O tanque de combustível auxiliar ainda acompanhava a nave um pouco acima dos 100 km de altura, se desprendia e caia, desintegrando-se na atmosfera. Este vídeo bacana mostra o processo: http://www.nasa.gov/multimedia/videogallery/index.html?media_id=68551231 Quanto à construir um laser com capacidade destrutiva, isso nunca foi empecilho para os EUA ou a OTAN. A "cooperação internacional" serão os aliados de sempre, que não negarão apoio para desenvolver tecnologia para uma causa tão nobre...
@alexgoblin
Né??? Esses cientistas não aprendem nada com os quadrinhos... ¬¬
Yangm
Pelo menos desa vez vai dar tempo de desenvolver um app para iPhone que proteja seus donos. Afinal irá ser um laser e não uma arma de controle gravitacional do Gary's Mod.
Exibir mais comentários