A proteção contra malware de grandes empresas ligadas à web já virou algo padrão e esperado delas. O Twitter passou a encurtar todos os links com o t.co por esse motivo, para impedir que certo site malicioso fosse afetado. Além dele, o Google já tem há anos uma ferramenta que detecta páginas infectadas e exibe um aviso, ferramenta essa que é usada por diversas outras companhias. Com o aumento do número de usuários, o Facebook precisou pensar numa estratégia similar. E parece que conseguiu.

Quem trabalha em grandes empresas com conexão à internet provavelmente já deu de cara com uma tela do Websense ou de algum serviço parecido com eles. Eles são conhecidos por bloquearem acesso a certos sites que são considerados improdutivos no ambiente empresarial, como redes sociais e sites de vídeo. Mas no caso do Facebook, eles vão ajudar a prevenir ataques e divulgação de SPAM, malware e vírus na rede social, já que a base de dados de do Websense é extensa e está constantemente atualizada.

Com o novo filtro, todos os links divulgados em posts no Facebook passarão pelo Websense, que vai liberar ou bloquear o acesso ao site no link. Se o link for bloqueado o Facebook vai mostrar o alerta exibido na imagem acima e o usuário ainda terá a opção de ignorá-lo e acessar o site assim mesmo.

O Facebook já usava desde o começo do ano um serviço de análise de links, mas ele se provou ineficiente por que os spammers constantemente trocavam o domínio das URLs e o serviço não conseguia manter o mesmo passo.

Com informações: ComputerWorld.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Marcelo
já era hora de tomar uma providencia dessas...
j2k
é um bom começo... se bem aplicado e atualizado pode dar certo
Yangm
Prevejo pessoas chamando ele de WebNONsense na primeira falha.