Ela teve um colapso, caiu sobre a mesa e ficou com hematomas no rosto. Depois do episódio, Arianna Huffington, a grega mais poderosa da mídia mundial, tomou para si uma tarefa de evangelização importante: que as pessoas aprendem a se desconectar. Durante o evento InfoTrends 2011, Arianna falou sobre blogs, internet, jornalismo e sua relação de ódio com o celular na cama.

A CEO e editora-chefe do Huffington Post Media Group, empresa de mídia formada depois que a AOL americana comprou o site noticioso Huffington Post por mais de trezentos milhões de dólares, fez uma recomendação para as pessoas superconectadas que participaram do evento. Arianna diz que a sua principal regra é nunca levar o smartphone para próximo da cama. Deixar o aparelho carregando na mesa de cabeceira está proibido.

“Mas eu uso o meu iPhone como despertador!” Quando as pessoas argumentam isso com a executiva e jornalista, Arianna diz que dá um rádio-relógio daqueles antigos para aquele que a interpela.

Arianna Huffington fala com a imprensa depois de sua palestra no InfoTrends

Abrindo o segundo dia de InfoTrends em São Paulo, Arianna explicou que o celular se torna uma grande tentação quando fica próximo de nós por muito tempo — até na hora em que vamos dormir. Qualquer que seja o motivo que nos faz acordar no meio da noite, se o celular estiver ali torna-se irresistível checar o que aconteceu recentemente, e assim acaba-se com o sono perfeito que a gente tanto almeja. É o que diz a jornalista.

Falando sobre a necessidade de se desconectar, a jornalista que controla um dos maiores conglomerados de mídia online disse que recentemente fez um trato com sua filha. Durante um college tour (quando os pais acompanham filhos e conhecem campi de faculdades americanas), ela passou o dia inteiro sem checar os seus smartphones (são 3 aparelhos BlackBerry!). Diz Arianna que foi um momento único com sua filha. “Ao fim do dia, minha filha foi para o hotel dormir, e aí sim eu comecei a trabalhar”.

Se ela teve uma boa noite de sono na noite anterior ao evento? “Tenho que admitir que não. Mas essa é a prova de que eu não sou perfeita.”

Jornalista comentou sucesso do site Huffington Post

100 milhões. O Huffington Post recentemente chegou ao comentário de número 100 milhões. Arianna disse que o portal de notícias adota um sistema de moderação prévia dos comentários. Também há avaliadores responsáveis por isso. No HuffPost é proibido escrever sob anonimato.

Google. O maior buscador do mundo não é um concorrente do Huffington Post. A jornalista explica que não enxerga as relações comerciais como “e… e…” ou “ou… ou…”, na qual é preciso fazer uma escolha e ponto final. Para Arianna, as relações são do tipo “esse… aquele…”, no qual o usuário poderia escolher livremente entre as várias opções em momentos diferentes — todos teriam a sua vez, portanto.

Huffington Post no Brasil. A versão local do HuffPost tem lançamento previsto para outubro. A companhia controladora do site atualmente conversa com empresas de mídia brasileiras para definir um parceiro local. Arianna promete cobertura de assuntos locais como política e música, inclusive com notícias vindas do Nordeste e Norte do país. “Vamos cobrir desde política até comida”.

Pagamento por conteúdo. Comentando o sistema de pagamentos adotado pelo site do New York Times, Arianna disse que não concorda com esse sistema. “Eu entendo que o público quer informações gratuitas, com exceção dos dados financeiros, pelos quais tem gente disposta a pagar”.

Perfeição nas redes sociais. Para a jornalista, não existe mais a celebridade perfeita. Se a pessoa realmente quer se engajar nas redes sociais, precisa assumir também suas falhas e vulnerabilidades. Mas Arianna também aponta uma receita irônica para quem não aceita a nova realidade: “Não abra a boca, esteja sempre linda e sorria”.