A impressão que eu tenho é de que o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) não vai sair nunca. Ele é um dos pilares do governo da presidenta Dilma Rousseff, além de ser amplamente apoiado pelo ministro Paulo Bernardo, das Comunicações. Caso as operadoras brasileiras não tenham interesse em colaborar com o plano, a presidenta já autorizou que empresas estrangeiras sejam convocadas para tocar o PNBL.

O assunto é complicado porque depende de negociações (e negociatas) entre o setor público e o setor privado. Por enquanto, somente as operadoras de telefonia fixa e banda larga estavam sendo visadas pelo Governo Federal. Depois, o governo começou a dialogar também com as operadoras de telefonia móvel. Se nenhuma delas apoiar o PNBL, alguns grupos estrangeiros já demonstraram interesse no negócio.

Nem tudo são flores | Metas do PNBL para 2011 não serão cumpridas
Saiba mais | Dilma quer banda larga popular de pelo menos 1 Mega

SK Telecom, da Coreia do Sul, tem interesse no PNBL

De acordo com uma reportagem publicada na Folha de hoje, a coreana SK Telecom — da qual eu nunca tinha ouvido falar — é uma das empresas estrangeiras de olho no PNBL. Ela foi a primeira operadora coreana a oferecer 3G e HSDPA naquele país, referência mundial em internet de alta velocidade.

Outra operadora, dessa vez americana, teria interesse em cuidar da parte de telefonia fixa do Plano Nacional de Banda Larga. O nome da empresa não foi revelado pela reportagem.

Se nada der certo na negociação com empresas brasileiras, o tal chamamento internacional permitiria a entrada da teles estrangeiras no mercado de telecomunicações nacional por meio da compra de empresas de telecom menores que já tenham rede instalada ou por meio de parceira com a Telebrás, que é responsável pela própria rede de fibra ótica e pela rede da Petrobras, que foi transferida para o governo federal com propósito de atender o PNBL.

A principal reclamação das teles é com relação à oferta de telefonia e banda larga em lugares onde há baixo poder aquisitivo, o que geraria prejuízo econômico para as empresas. Em resposta a esse argumento, o ministro Paulo Bernardo disse à Folha que, dias depois da polícia ocupar o Morro do Alemão, no Rio, as empresas de TV a cabo haviam estabelecido o serviço formal por lá.

“Existe demanda. O que não existe é oferta”, diz o ministro. E se as empresas brasileiras não enxergam isso, que venham as estrangeiras.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

[email protected]
vai ser melhor do que as mercenarias nacionais conheço quatro so que a cesura proibe falar né são caras e diminui a velocidade se fizer download sonha em baixar arquivos so usando uma gvt so que obriga a usar telefone fixo se não e mais caro sem o telefone.
alcantara de jesus
vai ser bem melhor porque as empresas de telecomunicações brasileiras não oferece uma velocidade justa e cara demais e diminuem sua velocidade se fizer download coisa que não deveria acontecer porque ja ta pagando a tim oi claro e vivo e assim
Caio Furtado
É o único jeito, quando as empresas nacionais perceberem, vai ser tarde demais.
@rodrigorsena
esperando no meu caixão a minha pessoa navega a pelo menos 50 mb/s em manaus
Tio Z
Esqueceu do aJato do Grupo Abril com velocidades muito boas (20mbps e 40mbps com 1 a 5mpbs de up) a preços razoaveis (atualmente pago 64 reais em 16mbps/1mbps) com boa estabilidade. Esqueceu tambem dos novos planos de fibra otica da Telefolixo e da NET, sendo a da Telefonica a pior até o momento, garantindo periodos de mais de semana sem serviço para usuarios em alguns lugares sem explicação devida. Não tenho informação sobre a da NET, não tenho conhecidos que tenham o serviço deles de fibra.
Tio Z
Cara, considerando as parcerias da Apple e da Sony (no Vita) com a AT&T e que mesmo o serviço male male deles é melhor que o prestado aqui...não acho que seriam TÃO mal negocio assim.
Tio Z
Não somente eles preferem fazer direito, mas a GVT tambem está trombando MUITO com a burocracia para expandir sua rede. Aqui em São Paulo, ela está com muita dificuldade de expandir a rede devido as demandas de ter que fazer rede subterranea com uma profundidade especifica e que precisa de um alvará especifico...que sai uma graninha legal e demora uma vida. E pode ter certeza que tem dedo de grandes ai no meio, porque eu duvido que NET e Telefolixo/aJato queiram outro concorrente na cidade.
Emmanuel Fotógrafo
Trabalho no centro do RJ e minha internet 3G é mais lenta que conexão discada... =/
@felipeparantes
Qualquer empresa americana que se interesse em vir para o Brasil, deixará nossas teles com medo, Sprint, Verizon, qualquer uma. A Sprint ja tem uma rede 4G consolidada lá!! Abs.
@hemersonmf
Fala com a Japinha da foto que ela pode instalar muito aplicativos bacanas do iPhone dela. Peladão assim não rola. hehe :D Brincadeiras à parte, este plano da Dilma... sei não... Investimento estrangeiro em teles? Como seria? não sei se daria certo aumentar a concorrência. Acredito que diminuir impostos facilitaria a inserção de boa internet em lugares hoje economicamente não alcançáveis. Poderia fazer um incentivo semelhante ao que é feito com a conta de luz, onde consumidores de baixa renda pagam menos pelo kW/h
@higgorleimig
Sim, e isso é incrível. Além dessa preferência a bairros ricos, a GVT tem uma maneira estranha de distribuir sua rede. Na minha rua não chega a GVT, mas nas ruas do lado tem, isso não é espantoso? E me dizem que os cabos não chegam lá...
Rodrigo
Aí a culpa é do gerente ou diretor que não sabe administrar. Cansei de ver empresas com ótimos funcionários, todos desmotivados porque precisam prestar contas a um incompetente, apadrinhado pela diretoria, cujo único estilo de "liderança" é cobrar resultados e prazos absurdos através de terrorismo psicológico. É só saber contratar os profissionais certos.
Gabriel Bemfica
Um valor desses, a médio/longo prazo, garante sim o retorno do investimento e o lucro. As empresas daqui cobram absurdos simplesmente porque podem, as empresas novas que entrarem no mercado com certeza terão benefícios como, por exemplo, isenção de vários impostos, o que vai ajudá-las a reduzir o valor dos seus planos.
Gabriel Bemfica
Isso se dá por um simples fato: eles preferem oferecer um serviço de qualidade do que lucrar com quantidade. Ao contrário das grandes telecoms (sim, a GVT ainda é pequena, apesar da fama e do faturamento), que saem ativando linha em tudo quanto é canto, sem ter como suportar a demanda. Um exemplo excelente é o da TIM: com esses planos Liberty e Infinity, uma porrada de gente migrou pra operadora, e eles simplesmente não investiram em melhorar a infra-estrutura para suportar esse aumento. Resultado: linhas congestionadas, gente incomunicável, serviço porco, ligações caindo o tempo todo (e lá vai o pobre coitado gastar mais R$0,25 pra terminar a ligação)... E não é só com a TIM (usei-a como exemplo somente por ser o episódio mais recente), toda vez que uma operadora lança uma promoção "matadora", que faz uma grande massa de gente migrar para ela, a situação se repete. Que venham as telecoms internacionais, e criem uma concorrência decente!
Luciano Carvalho
Se essas empresas estrangeiras viessem com funcionários estrangeiros também, seria melhor ainda! O Brasil está cheio de empresas estrangeiras que são super eficientes lá fora, mas que, quando chegam aqui, adquirem a cultura da ineficiência e da incompetência, tão comuns a nós.
Exibir mais comentários