Na semana passada o governo brasileiro garantiu que publicaria uma Medida Provisória que baixaria a tributação dos tablets no Brasil. Essa seria uma das requisições da Foxconn para que o nosso país recebesse um investimento de 12 bilhões de dólares e que iPads fossem produzidos aqui. Dessa vez o governo atrasou mas não falhou. A MP 534/2011 foi publicada hoje no Diário Oficial da União, tornando-a… bem, oficial.

A definição de tablet dada na Medida Provisória é bem específica. Ele é definido como “uma unidade central de processamento com entrada e saída de dados por meio de uma tela sensível ao toque de área superior a 140 centímetros quadrados”. O que, em tese, exclui tablets com menos de 7 polegadas. Se é que eles existem.

Um detalhe na montagem dos tablets que deve ser cumprida pela Foxconn e demais empresas interessadas é que ao menos 25% das peças dele sejam produzidas no país e essa porcentagem cresce com o passar dos anos. Caso contrário, ele não se enquadra na chamada Lei do Bem e certas taxas podem ser reaplicadas.

Qualquer tablet montado no país que estiver dentro desses parâmetros terá sua tributação reduzida, mas como cada estado cobra um ICMS diferente, ele pode variar de preço se for montado em Manaus ou em São Paulo. E vale lembrar que o preço ainda vai demorar a cair.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Fernando Rosentalski

será que já deu tempo de abaixar os preços?

Gabriel Fernandes
Eu tenho um Android 2.2 e um celular peba de 100 conto com mp3 e radio. Eu nunca uso o Android para musica e sim apenas para internet e apss. o de 100 conto uso diariamente para ouvir musica.
@eduardometinger
Queria saber QUANDO isso vai acontecer.. Acho que o governo não tem muita pressa pra baixar o preço desses tipos de produtos, sinceramente falando..
pedroPE
DVD?? em que museu vc trabalha?
Lucas
Aff tinha que abaixar os impostos, isso sim
Gabriel Bemfica
Entrei pra comentar isso.
Gabriel Bemfica
Não exatamente errado, mas não exatamente certo. No caso específico de eletrônicos, a questão é que o lucro não vai diretamente para os varejistas, nesse caso. Tipo, é interesse das lojas ter sempre os produtos mais novos e top para mostrar aos clientes (mesmo que eles não comprem o produto top, é um chamativo na vitrine ou na página inicial do site). Em ambos os casos, por possuírem várias unidades na rede e também pela certeza de venda (nem que seja a longo ou médio prazo), compram-se dezenas de milhares de unidades do produto. Quem lucra com isso diretamente é o distribuidor e o fabricante. Conforme o aparelho vai ficando obsoleto, o interesse nele diminui, mas ainda existem unidades em estoque. Mas existem aparelhos mais novos e mais atrativos, que vendem bem melhor, mesmo com preço igual. Logo, como o que já foi vendido anteriormente já deu bastante lucro, eles reduzem os preços para liberar vaga nos estoques para aparelhos mais novos, que darão mais lucro e, teoricamente, terão liquidez de vendas maior. Simples assim: despejam unidades obsoletas e que não geram interesse no consumidor a preço de custo (algumas poucas vezes, até mesmo a preço menor que o de custo), para não começarem a der prejuízo (afinal, espaço no estoque custa dinheiro: eletricidade, aluguel, IPTU, etc). Além disso, também pela obsolescência, muitas vezes os distribuidores diminuem os preços de produtos antigos, e os varejistas repassam ao consumidor.
j2k
perfeito, o processador em si continua sendo 1 só
@carlos_tumulto
Uma unidade de processamento quer dizer que é um único processador... indefere o fato dele ter 2, 4 ou 20 Núcleos...
Fabrício
Isso é verdade.
@MisterSanderson
Tipo o que aconteceu com o Playstation no Brasil, né?
Smess
Antes de abaixar imposto: De R$1500,00 por R$1400,00 Mesmo produto depois de abaixar imposto: "BAIXOU OS IMPOSTOS! DESCONTÃO DE R$650,00!!!!!!" De R$2000,00 por R$1350,00
Cristiano
E o que a Positivo vai fazer com aquele ALFA que ela quer vender por R$ 850?
Rafael The Mist
Os fabricantes agradecem. E por enquanto, apenas eles. O governo tinha que ser mais macho e impor redução de preços, mas aí não seria esse governo que está aí.
Caio Furtado
"O que, em tese, exclui tablets com menos de 7 polegadas. Se é que eles existem." - Streak, da DELL.
Exibir mais comentários