Mantendo a tradição de liberar um novo release poucas semanas depois de uma nova versão do Ubuntu, a distro Linux Mint anunciou recentemente o lançamento da versão RC (Release Candidate) do Linux Mint 11. Fãs do GNOME podem ficar felizes, já que o Mint usará o gerenciador de janelas como padrão, em vez do Unity.

Linux Mint 11: GNOME no lugar do Unity

Com o codinome “Katya” (os releases do Mint recebem nomes de mulheres, seguindo a ordem alfabética na primeira letra), o Mint 11 manteve o visual mais clássico, fugindo do Unity da Canonical e do GNOME 3 (diferentemente do que havia anunciado faz alguns meses). Uma ótima decisão, já que é visível que ambos gerenciadores de janela ainda precisam de alguns ajustes. No lugar deles, entra a versão mais atual do GNOME 2 (versão 2.32.1).

Assim, apesar de vários programas terem recebido atualizações, o Mint no geral fica com o mesmo aspecto visual das releases anteriores, mintMenu e os ícones basicamente iguais.

Mas há mudanças importantes! O OpenOffice.org sai de cena e dá lugar ao LibreOffice, e o Banshee vira o novo tocador de mídia, substituindo o Rhythmbox. Além disso, o F-Spot foi substituido pelo gThumb como o aplicativo padrão de imagens, e o Gwibber não é mais instalado por padrão.

O Linux Mint é uma alternativa interessante ao Ubuntu, trazendo já na instalação padrão suporte a diversos tipos de mídia, plugins comuns para os navegadores (como flash e java), suporte à exibição de filmes em DVD, e outros componentes que normalmente precisam ser instalados no Ubuntu. Você pode baixar a versão RC direto no site da distro, e existem versões tanto para 32-bit quanto para 64-bit.

Com informações: Softpedia.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@leozacche
Entre elas: Amazon, Google e Oracle.
Guilherme Mac
Navegador é outra coisa. Sistema operacional é algo mais completo de mudar. Tem que mudar todas as estruturas que sustentam o Windows, e ainda lutar com a força de mercado da Microsoft, uma das maiores empresas do mundo. A luta agora é nos tablets. Começando do zero, sem um legado por trás, dá pra ter realmente uma concorrência.
@julianleno
Conhece o Ubuntu Tweak??? ele faz facim, facim essas personalizações no Ubuntu
Renato Mendes
Igual ao Internet Explorer né? Tudo muda meu amigo, mas ninguem quer mudar pra pior(Leia-se não poder trabalhar como antes)nem mesmo se for de graça.
Ramon Melo
Ah, sim, essa era a resposta que estava procurando. Se os menus continuam lá, está tudo certo.
Ramon Melo
Mas e quando você não lembra o nome do programa? Ou tem várias opções e quer olhar todas para decidir qual usar?
Ramon Melo
A posição dos botões não me importa muito, eu costumo fechar os programas com Ctrl+W e Ctrl+Q. O que eu detesto são os programas empilhados numa opção chamada "Todos os programas", isso sim me irrita. No Mac OS X e no GNOME clássico, existem 3 menus (Applications, Locations e System), e, dentro deles, os programas ficam organizados por tipo. Por exemplo, se eu quero abrir o Firefox, vou em Applications > Internet > Firefox, se eu quero abrir o LibreOffice, vou em Applications > Office > LibreOffice. Essa opção vem embutida no Mint ou eu preciso mudar o tema (ou a interface inteira) para ter isso?
@EmanuelSchott
Então vc é pobre ou ganha dinheiro fazendo palestras.. Ta usando Linux oxe!!! O grande problema do Ubuntu (e derivados, como o Mint) não é ser de graça e sim serem desconhecidos pela maioria dos leigos no quesito informática. Ja "converti" várias pessoas, apenas mostrando o basico de como o Linux funciona.
@EmanuelSchott
"Menu Iniciar" muito mais funcional que o original e que os "três menuzinhos" (que ainda continuam lá, botão direito no painel>adicionar ao painel...).
Kadu
Meu uso para o Menu Iniciar no Windows é basicamente apertar winkey e digitar o nome do programa que eu quero abrir, então é bem funcional para mim!
@EmanuelSchott
Sim, ele é Windows Like, os botões ficam na esquerda, masLinuxMint é Linux, ou seja, se não quer os botões na esquerda, mude-os para a direita, para o centro ou para onde quiser. Aliás, o Mint possui uma ferramenta que facilita mt fazer isso (procure por "Configurações da Área de Trabalho"), no Ubuntu é um pouco mais complicado.
Ramon Melo
Que são MUITO MELHORES que o botão Iniciar, diga-se de passagem. O botão Iniciar pode ter sido uma revolução nos anos 90, mas já está mais do que na hora da Microsoft dar um jeito naquilo. Se eu não estivesse usando Windows Vista, arranjaria um tema GNOME-like ou mesmo Mac-like e colocaria aqui.
Rina
Muito bem lembrado... ahahahahahahahahaha! (2)
Marcos Ammon
Gostei! Gosto bastante do ubuntu por questão de costume mesmo (embora eu reconheça que tem muitos bugs, eu até que gosto deles, cada um me da mais aprendizado). A screenshot ta feinha mas duvido que não de pra customizar para uma coisa melhor... "Espírito de Linux" é uma palhaçada sem tamanho.Aliás, o Linux só não cresce mais rápido por isso.Tem que ser pragmático nessas horas, usar um SO não por ser livre e "políticamente correto" mas sim por ser melhor e conseguir fornecer um modelo de negócio mais lucrativo para as empresas. Enfim, tava querendo testar o linux mint ja faz um tempo...Acho que vou aproveitar agora. Alguem ja virtualizou ele? Vale a pena? Fica lento? Abraços
@_eliasalberto
Essa screenshot ta com cara de xp mesmo, principalmente por conta do "menu iniciar". Melhor pros novos usuarios, e pessimo para quem se acostumou aos 3 menus do gnome (como eu)
Exibir mais comentários