Quem escolhe fazer o jailbreak no seu iPod, iPhone ou iPad e não faz a menor ideia de onde começar, tem dois passos a seguir. Ou faz uma busca nessa vasta rede mundial de computadores, encontra um guia que explique passo-a-passo como o processo deve ser feito e segue por sua própria conta e risco, ou tira essa responsabilidade das suas mãos e procura alguém que cobre para fazer o jailbreak. Essa segunda opção tem feito sucesso nos EUA, garantindo uma grana preta um estudante americano.

Kevin Lee é um estudante da Universidade de George Mason que aprendeu sobre o jailbreak logo no início e passou a ajudar amigos e parentes a executar o processo nos seus iDevices. Percebendo uma oportunidade lucrativa, Lee então publicou um anúncio no site Craigslist, oferecendo seu serviço de jailbreaker a um preço. Foi assim que ao longo de um ano inteiro o estudante conseguiu seus 50 mil dólares.

iPhone com jailbreak | Crédito: Simon Wicks

Uma das coisas que ajudou Lee a chegar nessa quantia foi a mudança da legislação americana no ano passado, que fez com que o jailbreak fosse legalizado. Lee disse, em entrevista ao Washington Post, que antes costumava receber de cinco a dez clientes por dia, enquanto que pouco depois da legalização do jailbreak ele passou a atender 30 a 40 pessoas diariamente.

Aqui no Brasil esse tipo de coisa já acontece há algum tempo, embora não saibamos se existe gente que se sustente apenas com o jailbreak (você é um? Deixe um comentário!). Mas foi assim que o desenvolvedor carioca Pedro Franceschi ganhou uns caraminguás, usando seus conhecimentos da plataforma móvel da Apple para fazer jailbreak no iPod dos amigos em meados de 2009. Pouco depois criou um programa de jailbreak que também acabou ganhando destaque na mídia internacional e foi baixado milhares de vezes.

Hoje podemos dizer que ele está do outro lado da força: Pedro recebeu várias propostas de emprego e já foi desenvolvedor em duas empresas diferentes. A mais recente foi a Sync Mobile em que ele ajudou a criar o aplicativo TouchToTweet, recém-lançado na iTunes AppStore. Detalhe: Pedro cursa atualmente o primeiro ano do ensino médio.

Com informações: Gizmodo. Imagem sob licença CC do usuário Simon Wicks no Flickr.