Início » Arquivos » Aplicativos e Software » Nova decisão da Canonical sobre o caso Banshee gera polêmica

Nova decisão da Canonical sobre o caso Banshee gera polêmica

Empresa aceita que ganhos com MP3 sejam doados para o Projeto GNOME.

Avatar Por

É, parece que pegou muito mal a decisão da Canonical de exigir que os desenvolvedores do Banshee parassem de doar o dinheiro da venda de MP3 para o projeto GNOME. Depois de muita discussão e milhares de opiniões negativas, a Canonical voltou atrás e acertou uma nova proposta com os desenvolvedores do Banshee: agora até os ganhos da Ubuntu One terão uma parte doada ao projeto GNOME!

Em comunicado oficial, o gerente de relações da Canonical Jono Bacon explicou que toda a história anterior foi na verdade um “disse-que-disse danado” e que já estava tudo resolvido com o time de desenvolvedores do Banshee. O e-mail que resolveu tudo entre a Canonical e o Banshee também foi liberado publicamente, como segue abaixo (tradução livre):

Muito obrigado novamente pela ligação, apreciamos muito sua participação e entendimento.

Como discutido, eu gostaria de frisar o plano que discutimos na ligação – e reiterar minhas desculpas e minha responsabilidade por uma situação que resultou no pior resultado possível para todos, incluindo ter colocado o time (de desenvolvedores) Banshee em uma posição desconfortável. Como segue:

  • No Ubuntu 11.04 o Banshee terá tanto a AmazonMP3 quanto a Ubuntu One habilitadas por padrão;
  • Nós vamos contribuir com 25% do obtido nas vendas pela loja Amazon MP3 para a Fundação GNOME;
  • Nós também vamos começar a contribuir com 25% do obtido nas vendas da loja Ubuntu One Music Store, realizadas tanto no Banshee quanto no Rhythmbox, para a Fundação GNOME;

Reconhecendo que é importante não apenas trazer escolhas para os usuários do Ubuntu, mas também gerar receita para continuar com o nosso investimento no Ubuntu, e para garantir que poderemos contribuir efetivamente com a Fundação GNOME – nós acreditamos que esse plano é de interesse para ambos os lados.

Ou seja: se antes o Banshee viria sem a loja da Amazon habilitada no Ubuntu 11.04, agora ela virá habilitada por padrão, mas (e aqui está o pulo do gato) apenas 25% dos ganhos serão repassados para o projeto GNOME. O resto ficará para a Canonical. Não sei quanto a vocês, mas ainda me parece meio abusivo, mesmo com 25% dos ganhos do Ubuntu One sendo doados também.

Obviamente, a notícia não repercutiu muito bem, e grandes nomes da comunidade Software Livre deixaram claro que não gostaram nada dessa história. Larry Ewing (o criador do Tux), enviou uma mensagem para Jono Bacon, via Twitter: “Bem, esse é um jeito de fazer um porco ficar perfumado, mas eu não sairia por aí me gabando”.

Jono respondeu que “Em minha opinião, não é bem por aí. A licença do GNOME permite isso, e o dinheiro está voltando para a comunidade. Parece razoável para mim”. E tudo acabaria por aí se o próprio Miguel de Icaza, fundador do GNOME, não tivesse entrado na briga com os dois pés no peito:

Chamou a mãe de coxinha e tudo. Eu não deixava.

Ou, em bom português: “Razoável o seu nariz. Você é feio e tem cara de mamão!” (eliminamos algumas partes mais pesadas da declaração). Ninguém da Canonical ainda se pronunciou oficialmente sobre o assunto.

A mensagem de Icaza repercutiu bastante, e é bem provável que até o lançamento do Ubuntu 11.04 role muita discussão sobre o assunto. E na opinião de vocês, mesmo a Canonical já tendo contribuido bastante para o GNOME, ela está certa em mudar uma função do Banshee e ainda querer a maior fatia da receita vinda das vendas de músicas que esse programa gera?

Com informações: InternetNews.com

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@Andre_Mello
Na minha opinião, uma melhor decisão seria deixar a loja da Amazon habilitada e por padrão, como fizeram, mas sem tocar na fatia do GNOME, como no plano original do pessoal do Banshee, e adicionar o Ubuntu One como a loja secundária, como também já foi feito, e, aqui sim, doar 25%, ou mais, dos lucros pro GNOME. Que tal?
@AntonioVeras
Pois é. Que outra empresa faz isso?
Caio P. Intonelle
Agora o Banshee estará por padrão na distribuição mais popular do linux! Do que eles estão reclamando? A exposição deles será muito maior. O lucro por cada venda pode ser menor mas o número de vendas com certeza será maior, o que pode acabar gerando um lucro total sobre as vendas ainda maior.
rogdrio
exatamente o que eu pensava
PF
E lembrando que a Canonical também modifica a página inicial do Firefox pra obter no lugar da Mozilla. Na barra de busca é a Mozilla quem fatura, mas no about:home (Fx4), é a Canonical. Há um bom tempo isso.
gsctt
Com toda razão!
Caio Furtado
Que comece a novela então...
Kadu
"A Canonical não parece tão malvada quando envia, sem nenhum custo, CDs de instalação para seus usuários, que, muitas vezes, têm acesso à banda larga e poderiam simplesmente baixar o Ubuntu." Perfeita colocação.
Matheus Oliveira
Eu acharia errado se fosse só da amazon, mas eles estão doando do ubuntu one tambem, o que acho que recoloca as coisas no lugar...
Ramon Melo
Sinceramente, acho que a Canonical está certa em fazer isso. É bem legal o pessoal que trabalha pelo idealismo, mas não é assim que o mundo funciona. A empresa vende um produto gratuito e precisa se manter e gerar lucros para seus donos a fim de continuar operando. Sem falar que, na prática, o acordo foi bom para ambos os lados: a Canonical passa a receber parte dos lucros da parceria com a Amazon, enquanto o Banshee aumenta seu número de usuários contando com o apoio oficial da distribuição mais utilizada no mundo (pelo menos em desktops). É claro que, com o aumento de participação no mercado, estratégias mais "agressivas" seriam postas em prática, cedo ou tarde. Mas o Linux nem de longe perde sua característica mais latente: a liberdade. Quem não gostou dessa atitude (que, para mim, é indiferente, já que não posso comprar música em nenhuma das lojas), pode escolher outras distribuições para usar. O SO, no fim das contas, é o mesmo. É pitoresco o fato de que uma empresa que assume custos que não são cobertos pela venda dos seus produtos seja criticada por procurar novas formas de obter receita. A Canonical não parece tão malvada quando envia, sem nenhum custo, CDs de instalação para seus usuários, que, muitas vezes, têm acesso à banda larga e poderiam simplesmente baixar o Ubuntu.
@brunogdb
Canonical fazendo tempestade num copo d'água, é o que eu acho.
Leonardo
Não mudaria uma vírgula!
bawlaw
eu acho justo.. estao fazendo muita tempestade no copo d'agua, além do mais, quem quizesse se opor ao capitalismo abusivo da canonical era só mudar o mecanismo de compra.. o google vem como mecanismo padrao no firefox... quem nao gosta.. muda.
Luan Almeida
Eles vão multiplicar em muitas vezes o uso do Banshee, e a grana também. Pra que mais?
Guilherme Mac
A Canonical não é uma empresa exatamente no azul no segmento doméstico. Os lucros com a própria loja iriam deixar mais competitiva.
Exibir mais comentários