O conceito de impressoras a jato de tinta não é algo muito inovador atualmente. Papel entra pela bandeja, tinta é colocada sobre ele de acordo com as coordenadas dadas pelo computador por meio de cartuchos e o papel sai, impresso, por outra bandeja. Mesmo não sendo necessariamente algo novo, foi nesse conceito que se basearam os pesquisadores de uma universidade americana para criar algo revolucionário em termos de medicina.

Testes com esse conceito já foram efetuados no passado, e os cientistas conseguiram criar até uma impressora 3D de orelhas e outros tecidos baseados apenas em cartilagem animal, como a pele demonstrada na imagem abaixo. Mas somente agora ele foi aprimorado, nas mãos da equipe do cientista James Yoo da Universidade Wake Forest na Carolina do Norte.

Ele explica que primeiro seria feito um escaneamento da área afetada para identificar a extensão do dano e assim a chamada ‘bioimpressora’ saberia quanto de pele criar. As células da pessoa seriam então inseridas no equipamento, replicadas de acordo com a necessidade (o que diminui bastante a chance de rejeição) e só então transferidas para a área afetada.

O objetivo é desenvolver essa tecnologia para ser usada em casos de queimaduras graves e extensas, em que a transferência de pele não é uma opção viável por que exigira muitos centímetros quadrados dela. Como a pesquisa ainda está nas suas fases iniciais, ainda serão necessários alguns anos de estudo e testes antes que seja aplicado em seres humanos.

Eu só espero que a Epson, HP, Lexmark e as demais fabricantes de impressoras não entrem nesse jogo. Senão o preço do cartucho de pele vai ser o olho da cara.

Com informações: Discovery News.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gabriel Arruda
Nanomáquinas são capazes de criar a pele humana ou regenerá-la?
Caio Furtado
Devem ter roubado a patente dessa impressora dele, quando ele morreu.
Caio Furtado
Verde? Tá vendo muito Visitors ein.
Hernani
Muito bom, reconstituir a pele com enxertos(assim que escreve?)é uma prática que leva algum tempo, essa "impressão" seria muito útil aos médicos que lidam com isso
Hernani
HAuAHUAUAHU caraca vocês acordaram inspirados hoje ein
@Swdezerbelles
Achei bem interessante a pesquisa, tomara realmente que dê certo.. minha mãe trabalha em um hospital pediátrico, onde de vez enquando aparecem uns casos graves de queimadura. Facilitaria e muito a vida dessas crianças após a recuperação.. falo em nome da estética, vi um caso onde a menina após ver o estado em que ficou, entrou em depressão profunda. Com um tratamento como esse, as chances de se ter a vida de antes é bem maior.
Turdin
E prepare-se para o fim do cartucho de tinta preta, já que é de pele tem que ser cartuchos afro-desencendentes...
@brunogdb
Agora vamos ter Androids (não o celular) com pele humana! CORRAM PARA AS MONTANHAS!
Caio Furtado
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK EU RI.
Matheus Wichman
Bem que os cartuchos poderiam ser de esperma porque ai poderíamos carregar em casa mesmo.
@thitatagiba
Mas, falando sério, isso abre uma gama de aplicações... Imagina produzir órgãos com essa tecnologia? Parece bem interessante...
Matheus Wichman
Eu sofro com isso também. E pior é quando a merda ta la colocada certinho mas ele insiste em dizer que ta dando erro.
@thitatagiba
O cartucho pode não custar o olho da cara, mas vai arrancar o couro... =/
Matheus Wichman
Os traficantes do RJ curtiram a idéia pois agora não vão mais precisar de médicos sequestrados para fazerem curativos.
@AntonioVeras
Fato.
Exibir mais comentários